Mensagem

Faça seu comentário no link abaixo da matéria publicada.

sábado, 31 de maio de 2014

O que será do Brasil agora sem o seu justiceiro de plantão?

Os seguidores do Sr. Joaquim devem estar se perguntando: E agora o que fazer sem o nosso sanguinário justiceiro de plantão? Quem vai combater o mal dos nossos inimigos? O que vamos noticiar agora nos veículos do PIG? Qual será a próxima paródia a ser usada pelos candidatos que prometem fazer mais e melhor, mas nunca fizeram? Quem vai fritar os políticos nossos inimigos e quem vai defender nossos aliados?

Eu jamais em tempo algum imaginava que o tão poderoso Supremo Tribunal Federal chegasse a uma situação dessas. Alguém que se diz dono da verdade, a partir da sua ira pessoal, atropela a justiça, cria fundamentação fantasiosa e coloca em xeque o trabalho da casa e o respeito de seus pares. Tudo isso em nome do poder econômico e político conservador que o elegeu como seu homem de confiança.

É inacreditável que em nome de uma lei alterada, o mesmo delito, segundo vossa senhoria, só sirva para um partido e para os demais todas as possíveis brechas da lei. Os possíveis desvios de conduta não pesam de forma igual e muito menos tem o mesmo tratamento. Para os amigos as brechas da lei e para os inimigos a prisão. Assim foi no caso Azeredo do PSDB, do DEM de Brasília e do PT. Não estamos falando de “Caixa Dois” e sim de desvios de verbas públicas, tanto no caso do Azeredo como principalmente do DEM de Brasília, no entanto só quem foi preso foram representantes do PT. Uma nítida demonstração de vingança e não de justiça.

Em regras gerais, a AP 470 é uma aberração, pois cria um elemento novo para denominar o que já existe desde que o processo eleitoral começou na vida política do país. O chamado “Caixa Dois” corre solto país afora. Como fazer uma campanha de um candidato, deixa-lo bonito na fita, criar argumentos convencíveis e ainda ter espaço em rádio, jornal e TVs, sem falarmos em alguns milhões? De onde vem essa verba?

Há na verdade uma inversão de valores. A maioria da população, que aprendeu que política não se discute, também incorporou a ideia de que não há necessidade de participar, pois se vota em alguém que em tese lhe representa. Isso faz com que não se conheça em quem está votando e tampouco se sabe o que essa pessoa está fazendo em seu nome. Assim, a maioria vota por obrigação e enxerga todos os políticos como ladrões e a política como uma coisa ruim, pois é isso que a velha mídia fala, escrevem e determinam. Uma grande contradição no processo de democracia.

Outro fato gravíssimo passa quase que despercebido diante dos olhos da população e principalmente longe dos holofotes do PIG. Estou me referindo ao papel das empresas no processo de corrupção. Alguém já ouviu falar que as empresas sejam culpadas pela corrupção no país? Algum órgão de comunicação já anunciou algo parecido? Tenho certeza que não.

O Ministro Chefe da Controladoria Geral da União, Jorge Hage, afirmou há tempos atrás, que não há corrupção sem corruptor e, portanto não haveria corrupção, ou pelo menos diminuiria e muito, caso as empresas não aceitasse a chantagem da propina do dez por cento. Além disso, enquanto a corrupção visível no país gira em torno de 85 bilhões de reais ao ano, a sonegação é pelo menos quatro vezes mais. No entanto as empresas nem aparecem no noticiário, apenas quem recebeu a propina.

Esse cidadão que hoje se foi, na verdade queria ser um candidato sem partido, uma espécie de golpe institucional, mas como seu teto é de vidro bem fininho, sua vida começou a ser exposta em alguns veículos de comunicação e logo trataram de tirá-lo da pauta.

Com certeza levará algum tempo para o STF voltar a ter a credibilidade que tinha, assim como levará outro tanto para que a direita raivosa, o PIG e os extremistas encontrem outro aliado tão fiel.


Já vai tarde Vossa Excelência! Vá viver com sua aposentadoria milionária e participar da vida política direitosa defendendo seus aliados.
Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

domingo, 25 de maio de 2014

Em busca de uma nova forma de governar

Um assunto intrigante surgiu num dos cursos que ministro nas prefeituras. Porque alguns governantes ou mesmo gestores, quando estão em exercício não se consideram mais povo e sim alguém iluminado? Pratica essa que os afasta da população e por necessidade voltam apenas no início do próximo pleito eleitoral, ou em busca de reeleição ou no apoio de seus sucessores.

Os participantes do curso concluíram ainda que essa atitude faz parte de um processo cultural conservador, onde a população, por não acreditar na política, não participar dos movimentos sociais e muito menos buscar entender a função da política e dos políticos, principalmente por concordarem com o senso comum de que todos são iguais e por isso não merecem crédito, votam por obrigação ou pela paixão, em qualquer um, passando a cobrá-los como se fossem seus legítimos representantes.

Como ser um legítimo representante se não há vínculos e nem mesmo um discussão que levasse a construção de um projeto ou mesmo um “faz de conta” que agradasse seus seguidores?

Outro dado levantado pelos participantes vem do fato de que quando essas pessoas saem de seus postos, ou saem bem financeiramente porque usaram a máquina em benefício próprio, ou ainda entram em crise existencial.

Ao analisar de forma mais conceitual essas afirmações, chegamos à conclusão que Michel Foucault nos ofereceu os referenciais para afirmarmos: “O poder está à margem da loucura”. Quem não souber utilizá-lo para servir a uma causa, por ele será usado e sem que perceba, virará outra pessoa. Em regras gerais, tornar-se-á arrogante, vaidoso e com um objetivo claro de fazer o que for necessário para no poder permanecer. Trata-se de um modelo vertical de governar, onde o indivíduo de tão grande que se tornou, começa a ser venerado e não admirado como um líder.

Podemos até afirmar que esse modelo de gestor, gestão e de relacionamento com a sociedade é o utilizado na extrema maioria das gestões públicas no Brasil e que governar de forma contrária, ou seja, de forma participativa e transparente, que requer atitudes éticas e um processo integrado, portanto uma gestão horizontal chega a ser subversivo aos olhos de quem necessita a população bem longe.

Estamos em busca de uma nova forma de governar, onde o gestor ao chegar à conclusão de que governar não é um fim em si mesmo e sim um meio para as mudanças efetivas da sociedade, chegue também à conclusão de que isso necessita que o mesmo seja ou se transforme num militante de uma causa, que antes de ser partidária fará parte de seu projeto de vida.

A caminhada para se aproximar desse objetivo, começa quando gestor se pergunta qual é o seu papel no processo de mudanças, qual é a sua missão e passa a estar disposto em aprender e reaprender.


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Uma velha reivindicação colocada em prática pela Fundação Perseu Abramo

O Partido dos trabalhadores em seus trinta e quatro anos de vida já teve diversos momentos importantes e decisivos para sua história desde a sua criação. Dos cursos em Cajamar, passando pelo 13 de Maio e com a Escola Nacional de Formação.

Após a entrada do economista Marcio Pochmann como Presidente em 2013, criou-se a Área do Conhecimento, voltada exclusivamente para a formação tecnopolítica, como dizia Carlos Matus. Ou seja, cursos de formação técnica, a partir do contexto político.

O trabalho teve início com o Programa de Capacitação continuada em Gestão Pública nas prefeituras petistas, que já chegou a mais de 140 prefeituras, avançando para os Cursos de Pós-Graduação em Gestão e Políticas Públicas, que já formou a primeira turma e tem mais duas em andamento e com o Curso Difusão do Conhecimento, já presente em alguns Estados. Esse curso é oferecido a todos os filiados do partido, necessitando apenas da formação do Ensino Médio.

Para completar o ciclo de capacitação, na última sexta feira teve início a primeira turma de Mestrado Profissional em Políticas Públicas. Um dia histórico.

Com todas essas ações, as que já existiam e essas novas possibilidades, todos os setores do Partido estão contemplados com algum curso de formação, tanto técnica como política.
Bastava olhar nos olhos daquelas 40 pessoas que se habilitaram para esse importante momento, para saber que estavam ali não pelo diploma futuro, mas sim pela possibilidade de colocar à disposição do Partido dos Trabalhadores seus novos conhecimentos. Um alto grau de comprometimento.

Pessoas de várias partes do país compunham um cenário diversificado com a linguagem do Brasil, com seus casos e um histórico peculiar de cada um na trajetória do Partido.

Fico imaginando daqui a algum tempo, quando todas essas pessoas estivem em campo, o que serão capazes de produzir. No mínimo teremos milhares de pessoas com capacidade de fazerem de um debate qualificado sobre a conjuntura local, nacional e até internacional, exatamente como éramos no passado, onde qualquer pessoa a partir de uma boa leitura dos clássicos e das entrelinhas do poder fazia isso sem nenhuma intimidação.

Bem vindos e bem vindas a esse novo momento do Partido dos Trabalhadores, onde uma revolução silenciosa toma conta de seus bastidores. 


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

quinta-feira, 15 de maio de 2014

O imaginário dos brasileiros a serviço da mídia e dos representantes da Casa Grande

Em dezembro de 2013 completou 80 anos da publicação de uma das obras brasileiras mais lida e emblemática: Casa-Grande & Senzala de Gilberto Freyre. Nela o autor destaca a importância da Casa Grande na formação sociocultural brasileira, tão presente nos dias de hoje, assim como a Senzala que servia os moradores da Casa Grande que até hoje busca ainda ser servida e tenta de vez enquanto ressuscitá-la.

A imprensa, esse instrumento de poder, reinventada por Gutemberg, se porta nos dias de hoje, talvez mais agressiva e rápida, porém com os mesmos propósitos e os mesmos vícios que do passado. Tão servil como antes, escondendo o que pode comprometer os patrões e principalmente disseminando informações enviesadas, com o único propósito de confundir leitores, expectadores, ouvintes, internautas e principalmente os eleitores, com o medo de não prejudicar os representantes da Casa Grande. O “Geraldo” e o “Aécio”, que o digam. Pessoas bichadas por vários escândalos, porém blindados por seus agentes.

Não me recordo de constar na historia oficial do país, que em algum momento da época da escravatura, tenha havido qualquer questionamento por parte das autoridades e da justiça sobre o tratamento dado aos moradores da Senzala ou ainda algum morador da Casa Grande que tenha se revoltado com a situação de barbárie que os escravos viviam, renunciado de forma espontânea da situação de Senhor e que tenha adotado os escravos como pessoas de igual valor. Se houver, com certeza serão muito poucos e a imprensa fez questão de esconder.

Não me recordo também ter lido em algum lugar sobre os moradores da Senzala que cometam suicídio como forma de se livrar das amarras da escravidão ou ainda como uma forma de resistência, que além dessa, as outras formas conhecidas foram à fuga, as vezes perseguidos por seus pares  e a formação dos quilombos.

Nos dias de hoje a escravidão se apresenta de uma forma moderna. Quase imperceptível. Com uma nova roupagem e incluindo também pessoas de cores diversas, porém a maior parte nessa triste história, ainda é composta por afrodescendentes.

Escravos são todos e todas que estão à margem da sociedade, que se encontra em estado de vulnerabilidade social, onde seus direitos foram solapados por uma minoria que se considera proprietárias dos direitos universais. Talvez seja por isso, que jamais admitimos a corrupção ou ela mais disfarçada como um gordo “caixa dois”, mesmo que seja para levantar recursos para uma eleição, reeleição ou sucessão. Usar a máquina pública como moeda de troca, além de crime é imoral.

Porém, ao voltar a falar na imprensa, mídia, meios de comunicação, PIG, ou qualquer outra forma que o leitor queira chamar, chega a ser assustadora a quantidade de informações contraditórias disseminadas, com o principal objetivo de confundir a cabeça dos eleitores, onde a pior situação é a dúvida que fica na cabeça das pessoas mais simples ou desavisadas.

Para exemplificar essa situação, vou citar o meu pai, uma pessoa que nos últimos trinta anos, não só participou da vida ativa da política, como é um eleitor de Lula e Dilma, sem igual. Dias atrás ele me perguntava o porquê da Presidenta Dilma ter caído tanto nas pesquisas, pois tinha ouvido na CBN (A Rádio da Conspiração), a queda e a notícia de que muito mais ela haveria de cair até as eleições. Eu simplesmente lhe disse, que além de não ser verdade, pois os Institutos de Pesquisa tinham combinado isso, disse também que a tal Rádio tinha dono e que só poderia passar lá notícias que agradasse seus proprietários, que tinham lado e que não era o nosso.

Desafio alguém que se preste a ficar durante uma semana ouvindo a CBN, assistindo principalmente a Globo, SBT e Bandeirantes em seus programas sensacionalistas e seus noticiários, lendo a Veja, Época, Isto É, Estadão, O Globo, Folha de São Paulo e de quebra tente analisar uma pesquisa do Ibope, Data Golpe ou Sensus, que não entre em depressão ou passe a acreditar que o Brasil está quebrado e tudo que o Governo Federal de Lula e Dilma fizeram está errado ou se fizer não dará certo.

Trata-se de uma overdose neoliberal. Trata-se também de uma dose cavalar de mau gosto e principalmente de desprestígio do Brasil e idolatria aos países quebrados dos EUA e da Europa, como se tudo que tem lá é bom e tudo que for feito aqui é de segunda linha.

Como piorar essa situação? Muito simples. Um dia e meio ouvindo Funk, outro dia e meio ouvindo a avaliação do governo pelo Jabor ou pelos discursos neoliberais e direitosos na TV Senado ou TV Câmara e de quebra o restante da semana tentando entrar no metrô de São Paulo em plenas seis horas da tarde. Ah esqueci-me de falar uma coisa: a partir de setembro tentar tomar banho diariamente em São Paulo com água encanada da rua.

Nesse quesito posso afirmar que sou feliz, pois da água que bebo, com certeza beberão também todos os moradores que ainda se encontram na Senzala.

Bem vindos e Bem vindas todas as pessoas que lutam por liberdade e justiça.

Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

segunda-feira, 12 de maio de 2014

UMA E OUTRA COISAS

Uma coisa é o valor de um artista ou esportista na sua arte ou na sua atividade esportiva; outra coisa, bem diferente, é o valor da percepção que eles têm da vida em geral, da opinião que expressam a respeito, especialmente quando enveredam por temas espinhosos e que, a par de apaixonantes, requerem conhecimentos, informações confiáveis e sensibilidade social. Ha campos em que as fontes nem sempre são fidedignas, como é o caso da Politica. Alguns se arriscam e, julgando-se satisfatoriamente informados, já que leem Veja e Folha e assistem aos telejornais, especialmente os da emissora ainda campeã (decadente) de audiência, desandam a vomitar o senso comum que lhes servem os meios de comunicação.
Sem capacidade critica de ver e julgar, optam - como me disse um amigo, tentando embora dizer o contrário - por repetir uma tal "verdade subjacente, sabida e indiscutível", como aquela que, de tão repetida diuturnamente, anos a fio, pela mídia comprometida, transformou uma farsa, uma mal engendrada trama ficcional, no inquestionável "mensalão", aceito por todos, exceto por aqueles que, raciocinando minimamente e sopesando os interesses envolvidos, conseguem ver a realidade. Ou como o "mar de lama" que envolveria o governo federal, ou como o assistencialismo do "bolsa-escola, fábrica de vagabundos"...
A última celebridade vítima da mediocridade do superficialismo foi Ney Matogrosso, um gênio nos palcos, cuja trajetória musical torna-o, ele mesmo, uma "verdade indiscutível", no que tange ao talento, e o faz imergir num "senso comum" em que eu mesmo mergulho com gosto, já que não disponho de conhecimentos e recursos técnicos que me permitam um juízo idóneo e confiável sobre seu desempenho como cantor. Não ignoro que o juízo da qualidade de um artista se dá essencialmente pelo senso médio. Os que sobrevivem aos desafios do tempo, via-de-regra, são mesmo os que têm valor, ressalvados, sempre, alguns talentos esquecidos e algumas celebridades artificiais resistentes.
Nisso, arte, esporte e Política têm um ponto em comum. Via-de-regra - e neste campo também há as exceções a confirmar a regra -, só os bons políticos sobrevivem, e o juízo sobre quem merece a consagração histórica ou quem ha de ser condenado ao ostracismo se dá pela simples percepção da maioria. Os resultados de um governo, positivos ou negativos, são percebidos pelas pessoas dentro de casa e nas suas demais circunstâncias, e não há propaganda governamental ou orquestrada pela mídia que convença do contrário os habitantes de cada casa. É por isso que, Lula, embora afastado do poder - e da mídia - há quatro anos, segue lembrado e preferido por imensa maioria do eleitorado, mesmo dizendo e repetindo que não é candidato. É por isso que, atacados pela mídia e opositores impiedosamente e sem trégua, Getúlio, Juscelino e Jango - todos acusados de graves casos de corrupção nos respectivos governos, o tal "mar de lama" -, por uma mídia de índole udenista, falso-moralista e golpista, hoje são reverenciados pelos brasileiros, consagrados pela Historia. Já os militares, apesar de toda propaganda oficial, apoio midiático e mesmo do "milagre econômico", de passageiros efeitos positivos, quem ainda se lembra deles? E o que dizer de um Fernando Henrique Cardoso, a quem os próprios correligionários candidatos à Presidencial nas ultimas eleições, Serra e Alckmin, fizeram questão de esconder nas respectivas propagandas eleitorais?
Na Politica, porem, não basta o superficialismo, muito pelo contrário. Um juízo honesto deve levar em conta os números oficiais, os dados estatísticos, os resultados concretos, as informações corretas, a tudo se devendo sopesar os interesses de todos os atores envolvidos, governos de todos os níveis, opositores, partidos, mídia, demais instituições e respectivos agentes. Ney Matogrosso embarcou no senso comum, saiu a dizer as besteiras que dizem os colunistas de jornais e os especialistas-em-tudo dos telejornais, desconsiderou os interesses dos poderosos da mídia e a percepção popular. Ignorou o reconhecimento internacional - a começar das recomendações da própria ONU sobre programas como o Bolsa-Família, as informações oficiais de que não há dinheiro do orçamento da União investido na construção e reforma dos estádios da Copa, dos múltiplos benefícios que esta já vem proporcionando ao pais e a seu povo, às estatísticas estrangeiras que destroem o mito interno de que a carga tributária brasileira seria "a maior do mundo". Não se atentou à grandiosidade do atendimento do SUS ao universo de habitantes do País, um exemplo de que o dinheiro dos impostos, à parte os casos de desvios, é, sim, aplicado em beneficio da maioria. Ignorou a vigilância de órgãos governamentais no combate à corrupção, como a CGU e a Policia Federal, para citar apenas as subordinadas diretamente ao governo da presidenta Dilma.
Ney falou bobagem, mas nada fez de diferente do que tantos e tantos fazem todos os dias nas redes sociais, nas ruas e nos botequins.. Sua opinião tem o mesmo valor que o meu canto sob o chuveiro, só que ouvida por bem mais gente que meus azarados vizinhos. Mesmo assim, continua sendo, para mim, um grande artista da música popular brasileira, como outros que erraram pelo mesmo caminho, como Caetano, Fagner ou Seu Jorge. Porque uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.
Nessa temática, fico com a opinião de outros gênios - não por acaso maiores - que conseguem aliar espirito critico, sensibilidade social e informação confiável, como Beth Carvalho, Chico Buarque e Luís Fernando Veríssimo.
Luís Antônio Albiero
Advogado na cidade de Americana/SP
laalbiero@yahoo.com.br

sexta-feira, 2 de maio de 2014

A difícil tarefa de lidar com o mundo do trabalho sendo trabalhador

Hoje ao comemorar o Dia Internacional dos Trabalhadores ou o Dia do Trabalho, data que teve início em várias partes do mundo, a partir de lutas históricas, tanto por reivindicações como pela própria sobrevivência, os trabalhadores brasileiros têm muito a comemorar, mas também o que não faltam são motivos para continuar na luta por seus direitos.

Lembro-me bem de como o Brasil se encontrava há pouco mais de 12 anos, quando era governado pelos antecessores de Lula e Dilma. Não havia emprego, determinadas funções como Engenheiro Civil e Pedreiro, por exemplo, não valiam muita coisa, pois não tinha quem quisesse e da fila de trabalhadores desempregados que compunham o Exército Industrial de Reserva.

Para quem não tem intimidade com esse termo, denomina-se Exército Industrial de Reserva ao contingente de desempregados de um país, necessários para que o capitalismo selvagem faça sua chantagem. Quanto mais gente desempregada mais lucro para os patrões que enxergam os trabalhadores como máquinas (Teoria X) e não como colaboradores.

Há inclusive uma teoria do mal, pregada por alguns economistas neoliberais, que prega que num país emergente como o Brasil, que está no Pleno Emprego, teria que mandar embora, pelo menos um terço de sua mão de obra ativa para que o deus mercado, pudesse novamente ter o controle absoluto da situação. Ou seja, empregar sem registro e por qualquer valor, ao colocar medo em quem está empregado, mostrando a fila de desempregados lá fora, como era num passado recente. Esse é um dos vetores que estará em curso nas próximas eleições, incluindo nessa história o Salário Mínimo que eles acham estar muito alto, sendo que nenhum deles viveria com apenas um Salário Mínimo.

Ponho-me a pensar o que leva as diversas empreiteiras, usinas de cana de açúcar e várias outras empresas, em pleno século XXI, com o país jorrando dinheiro público e eles lucrando como nunca lucraram em toda história, manterem trabalhadores em estado de escravidão, se não forem a sacanagem e a ganância completa para que o dinheiro seja somente deles. O que fazer com empresários como esse? Porque esses sujeitos não são presos? Transitam livremente com seus aliados da justiça. Quanto mais ganham, mais querem ganhar.

Só para se ter uma ideia da situação, o Ministério Público Federal está investigando na atualidade 1480 casos, sendo desses 125 só em São Paulo e a Procuradoria Geral da República instaurou 480 Inquéritos Policiais desde 2010 e 469 Ações Penais nos últimos 10 anos. O pior é que com tudo isso, ninguém foi preso por explorar o trabalho escravo.

Do ponto vista empresarial, essas empresas estão fora do que chamam de capitalismo moderno, onde a exploração é feita de outra forma, como por exemplo, nas empresas de serviço, onde o trabalhador tem livre mobilidade de horário, porém em compensação trabalham diuturnamente.

Do ponto de vista trabalhista, ao mesmo tempo em que comemoramos o Pleno Emprego e os mais de 20 milhões de postos de trabalho com carteira assinada, lamentamos o fato de não se ter controle desse universo, seja pela extrema maioria desses trabalhadores não serem sindicalizados, seja pelo fato de seus sindicatos terem parado no tempo ou mesmo pela falta de capacidade política desses trabalhadores de se organizarem.

No mais, é inegável que o Brasil mudou, de que hoje um pedreiro é valorizado, principalmente porque constrói casas populares, coisa impensável quando éramos governados pelos representantes dos “coxinhas” e um engenheiro civil nunca ganhou tanto dinheiro em sua vida. Jamais podemos voltar ao passado.

Por tudo isso que foi comentado, é impensável num país capitalista não ter um Estado forte, que assuma o Bem Estar da população e não terceirize suas funções sociais, tornando-o um Estado Mínimo.

É bom que os trabalhadores entendam de uma vez por toda uma frase do meio sindical que na verdade revela a fragilidade de diversos setores e a cultura de que cada um é cada um: “Sozinho o problema é seu e juntos o problema é nosso”.

Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com