Mensagem

Faça seu comentário no link abaixo da matéria publicada.

sábado, 28 de junho de 2014

A corrupção e o cisco no olho



Ultimamente tem aumentado o número de manifestações contra a corrupção e isso é muito bom, pois nos leva a uma reflexão sobre essa prática nefasta que está enraizada na sociedade como um todo e porque toda manifestação pelo seu fim deve ser aplaudida e apoiada, desde que pacífica e ordeira.

As manifestações tem tido como centro das discussões os agentes políticos, como se fossem esses os responsáveis por tudo que de mal acontece no país, o que sabemos não é verdade, pois se existe corrupção envolvendo agentes políticos é porque outros segmentos da sociedade entram na roda, afinal, se há corrupção é porque existem o corrupto e o corruptor.

Existem políticos fazendo grandes discursos contra a corrupção, mas fazem caixa dois nas suas campanhas eleitorais, não declaram de onde vêm os recursos que financiam suas campanhas e fazem com que a disputa seja desigual. Esses, sem dúvidas, levam vantagem na hora da apuração, mas quem paga a conta dos gastos indevidos é justamente o povo que sofre com licitações fraudulentas e outras formas que o poder econômico encontra para lucrar com os apoios que distribui.

Já a população que está nas ruas manifestando, coberta de razão, deve também refletir sobre suas ações para que possam ser coerentes em relação ao que exigem. Senão vejamos; o empresário que subfatura ou deixa de emitir nota fiscal para pagar menos impostos ou deixa de incluir na folha de pagamento os ganhos de horas extras e outros benefícios de seus trabalhadores; o trabalhador que acerta com o patrão para ser demitido e continua a trabalhar sem registro para receber o seguro desemprego; o motorista que comete irregularidade no transito e no momento da penalidade dá o nome de outro para que receba a pontuação a ser lançada na carteira de habilitação; quem oferece ao policial algum valor para que não seja autuado por alguma outra infração; quem compra produtos piratas, os agentes públicos que aceitam algum benefício para deixar passar algum ato ilícito, quem estaciona nas vagas de idosos ou de pessoas portadoras de deficiência; todos esses também são responsáveis pelo estado de coisas que devemos criticar e exigir mudanças.

Para exterminar esse mal secular, portanto, primeiro é preciso que cada um de nós “por que você fica olhando o cisco do olho do seu irmão e não presta atenção à trave que está no seu próprio olho?” (Mt 7,3).

Moacir Romero
Líder do PT na Câmara dos Vereadores em Americana. 
moacirromero@camara-americana.sp.gov.br

quinta-feira, 26 de junho de 2014

E a vida como vai?

Passado, presente e futuro, de forma abstrata vão compondo a história de cada ser humano, onde cada passagem compõe o conteúdo da vida de cada um, como se fossem as páginas de um livro.

Vamos “tocando a vida”, como se diz no popular, sem às vezes nos preocupar no fator tempo e principalmente como o ocupamos no dia a dia, com quem convivemos, tipos de amizades e que história estamos escrevendo para sermos lembrados no futuro.

A primeira vez que me peguei impressionado com algo desse tipo, foi ao ler o Livro “1984” de George Orwell, onde o Big Brother, através da Polícia do Pensamento vigiava cada ser humano e se encarregava de “deletar” quem traísse o “Grande Irmão” e junto com ele “deletava” também cada acontecimento que fizesse lembrar quem foi o “deletado” ou ainda sua própria existência. Algo como a queima da Certidão de Nascimento e todos os documentos de uma pessoa, apagando de vez sua trajetória de vida e sua história.

Parece loucura não é? Mas era assim que George Orwell enxergava a tirania de Josef Stalin, que traiu a memória de Lenin e para se manter no poder comandou o assassinato de Trotsky e de milhares de seus opositores. Que seus seguidores não me ouçam e muito menos me leiam, mas fico de "pé atrás" quando me deparo com um stalinista convicto.

Para algumas pessoas a vida nem é notada como algo no tempo e espaço. Outras se perdem nas entranhas do poder e algumas lutam tanto pela vida que com certeza mereciam até uma segunda chance. 

Em geral, há um distanciamento proposital entre o que se é e o que se almejava ser, talvez como uma cortina que encobre o que não é para ser revelado, ou ainda uma leve frustração de que nem tudo ocorreu como se queria que fosse.

Viver a vida de verdade é antes de tudo cuidar dos detalhes. Amar as pessoas e conquistar outras que possam nos ajudar de forma espontânea. Em última instância, criar uma legião de amigos que se comprometam com as nossas amizades.

Continuando nas abstrações, na atualidade, algo vem me chamando à atenção. Nas minhas viagens a trabalho, tenho fotografado os eventos com seus respectivos participantes, os momentos em que vivo com as pessoas, mas também os lugares e o que tem me chamado a atenção. Uma das coisas que me deixa mais intrigado, são os personagens que aparecem mesmo de forma despretensiosa em algumas fotos e que mesmo sem saberem, vão compondo um cenário.

É importante saber que na sua quase totalidade, essas pessoas jamais serão identificadas, pois nem imagino quem sejam. São apenas pessoas, que passavam naquele momento em que a lente da minha câmera mirava para um determinado lugar e não por acaso, foram captadas e ficarão para sempre.

A vida é isso. Lembranças do passado, realidade presente e uma esperança enorme de um futuro melhor, onde ao se olhar para trás possamos nos orgulhar da história de vida que vamos deixando.

Normalmente escrevo coisas técnicas ou ainda relatos de acontecimentos, mas de vez em quando gosto muito de viajar nas abstrações da vida e procurar respostas para o quem nem mesmo possa existir e como alguém que veleja em alto mar poder me preparar para o que possa ser inesperado.

Que a vida possa me oferecer no futuro tudo que plantei no passado e estou cultivando no presente do meu dia a dia.
Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
toni.cordeiro1608@gmail.com

domingo, 22 de junho de 2014

RELATO DE UM “SELF MADE MAN”


Sou de uma geração que se acostumou a ouvir que o Brasil era o “país do futuro”, mas esse futuro nunca chegava e parecia que jamais chegaria.

O fim da ditadura militar trouxe enormes esperanças numa democracia que incluísse justiça social, mas as eleições diretas foram rejeitadas e tivemos que engolir a escolha do primeiro presidente civil pós-64 pelo voto indireto de deputados e senadores. Graças a um eficiente trabalho da mídia elitista, Tancredo Neves, o eleito, tornou-se nova fonte de esperança. Morreu antes de ser empossado. Tivemos que suportar outros cinco anos com o vice, José Sarney, ex-aliado do regime militar (eterno aliado de qualquer governo), no comando da Nação.

Foi um período desastroso. Sarney legou-nos, ao menos, a Constituição de 1988, realentando as esperanças. Vieram, finalmente, as primeiras eleições diretas e a esperança ressurgiu com força, para muitos com a possibilidade de Lula ser eleito. Lula não venceu, mas o escolhido, Fernando Collor de Mello, representava, para a outra metade do país, a esperança incubada desde minha meninice. Foi uma decepção desde os primeiros dias de mandato, desde que promoveu o confisco das poupanças. Caiu por “impeachment”, num movimento iniciado pela oposição, mas ao final orquestrado pelos barões da mídia que outrora o havia tornado o célebre (e falso) “caçador de marajás”. A elite agia como um deus concedia o sopro da vida e o retirava quando desejasse.

Seguiu-se o período de outro vice, Itamar Franco, que se revelou um presidente apagado, por vezes pusilânime, mas que teve o mérito de conceber o Plano Real. Reavivaram-se as esperanças e seu ex-ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, sucedeu-o na presidência.

A precária estabilidade econômica não era suficiente, porém, sequer para manter a inflação em níveis sustentáveis, muito menos os juros, sempre altos. Nem a entrega no atacado e a preços de banana das empresas públicas, com justiça apelidada de “privataria tucana”, serviu para melhorar a vida dos mais pobres, para enfrentar o dramático problema da miséria extrema que acometia grande parte da população brasileira, realidade que eu conhecia na própria pele, desde a infância. Cresci, portanto, vivenciando a história de um país que tinha razões de sobra para ser pessimista. Éramos o país que não daria certo, jamais.

Enfim, veio Lula e as esperanças, vencendo o medo já expressado pela elite e seus cachorrinhos de luxo (quem não se lembra da atriz global apregoando seu temor pelo futuro, caso o ex-metalúrgico fosse eleieto?), finalmente se tornaram realidade em grande medida. Milhões de esquecidos nos afastados rincões do país e nas periferias paupérrimas das grandes cidades, até então condenados a morrer na miséria absoluta, viram-se contemplados com políticas de socorro emergencial, bastantes para lhes assegurar não morrer de fome. Esses brasileiros aos poucos foram tomando gosto por experimentar uma vida digna. Vieram muitos outros programas, que levaram energia elétrica para milhões de famílias, que promoveram sua inserção no mercado de consumo, que asseguraram que seus filhos pudessem ingressar em cursos técnicos ou universitários.

O filho da faxineira passou a ter a oportunidade de ser doutor – coisa que, no meu tempo, era algo inimaginável, salvo raríssimas exceções, como no meu próprio caso. Sou do tipo que não deve nada a ninguém, portanto, a não ser à minha mãe, à minha irmã e ao tio que me criou, que participaram da minha sofrida trajetória. Fiz Direito em universidade particular, pagando mês a mês com o salário que recebia (de um cargo conquistado por concurso público), do qual não sobrava nada, sequer para comprar os livros necessários. O que conquistei na vida é mérito exclusivamente meu e de minha família. Jamais fui beneficiado por bolsa de estudos, nem por qualquer favor governamental ou particular.

Eu tinha tudo, por conseguinte, para fechar-me em meu mundo, viver em função do meu trabalho, do meu escritório de advocacia do qual retiro meu sustento, e me “lixar” para o que acontece com a vida dos outros. Tinha razões de sobra para ser ególatra e egocêntrico, defensor da “meritocracia”, do “esforço próprio”, como tenho visto em manifestações de diversas pessoas, nas redes sociais – como numa carta recentemente disseminada, de uma senhora que se diz “da elite”, na defesa do valoroso marido “self made man” (como os norte-americanos chamam a pessoa que venceu na vida graças ao próprio esforço). Gente que, em muitos casos, estudou em faculdades públicas, mantidas pelo povo, mas que, apesar disso, é do tipo que se gaba dizendo “ralo dez horas por dia”, “vivo do meu trabalho”, o que justificaria seu comportamento ativo contrário a programas sociais, como o “bolsa-família” ou as cotas nas universidades e no serviço público.

Eu tinha razões, enfim, para ser como essas pessoas desprovidas de solidariedade (geralmente, falsos cristãos), mas faço questão de não ser. Construí minha carreira profissional paralelamente à militância política. Estudei, trabalhei e continuo trabalhando sem abdicar de lutar para que as oportunidades que eu cavei para mim, com méritos próprios, sejam garantidas por programas governamentais para todos os brasileiros, pobres ou ricos, brancos ou negros.

É uma questão de índole, de berço. Embora não deva nada a ninguém, não me sentiria bem num mundo em que eu gozasse de privilégios à custa do sacrifício de uma imensa maioria. É por isso que sou e sempre fui PT. É por isso que, em outubro, votarei em Dilma para presidenta e em Padilha para governador.
Luís Antônio Albiero
Advogado na cidade de Americana/SP
laalbiero@yahoo.com.br

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Porque a direita raivosa não aceita o Plano Nacional de Participação Social

Antes de entrar na discussão da Participação Social como Política de Direitos ou ainda como os Movimentos Sociais gostariam que fosse chamada “Participação Popular”, vale registrar duas questões.

A primeira, que as evidências mostram que capitalismo, além de estar em crise, só é bom para uma pequena parcela da população. Um estudo do Instituto Internacional de Investigação sobre Políticas Alimentares (IFPRI, na sigla em inglês) mostra que pelo menos um bilhão de pessoas sofrem de desnutrição no planeta. A situação é considerada grave na América Latina, especialmente na Bolívia, na Guatemala e no Haiti. As informações são da BBC Brasil. Sendo que a riqueza mundial está concertada num pequeno grupo de privilegiados.

A segunda que em especial no Brasil, a democracia representativa vive em crise, tanto em crise moral, com inúmeros escândalos de corrupção, como principalmente de representatividade na expressão da palavra, visto que a maioria dos eleitos seja em que instância for não representa ninguém. Somem das ruas e voltam perto de uma nova eleição na busca de votos. Só para se ter uma ideia, o IPEA no ano passado fez uma pesquisa para saber quem eram os personagens que frequentaram as Conferências Nacionais e descobriram que uma grande parte não representa ninguém.

Voltando ao tema da Participação Social, vale lembrar que em outubro de 2011, a Secretaria Geral da Presidência da República (SGPR), a pedido da Presidenta Dilma organizou o I Seminário Nacional de Participação Social, com alguns objetivos bem definidos e estruturados. Evento que esteve presente perto de 400 participantes e que tive a felicidade de participar. Uma plateia composta por gestores públicos da esfera federal, estadual e municipal, pesquisadores, conselheiros e entidades da sociedade civil para discutir o tema da participação social.

Segundo Ligia Pereira da SGPR, esse evento alcançou importantes resultados. Entre eles, possibilitou um diagnóstico sobre iniciativas de Participação Social em diferentes esferas da sociedade brasileira e a efetividade alcançada por essas ações. Além disso, recolheu inúmeras propostas trazidas e amadurecidas durante os debates feitos em grupo e que vão servir para nortear o trabalho da SNAS – Sistema Nacional de Articulação Nacional. "A partir do material que recebemos durante o Seminário, vamos ter muitos elementos para aprimorar a agenda de trabalho do governo federal sobre o tema da participação social," avalia Lígia.


No centro da discussão estava a necessidade da criação de um Sistema Nacional de Participação Social.  Um instrumento construído a várias mãos e que deverá ser duplicado para Estados e Municípios. A esperança era que as Consociais - Conferências de Transparência e Controle Social, organizadas pela CGU, iniciasse a discussão dos Planos, como também despertasse o interesse para a discussão do Sistema Nacional. Porém, o que se viu foram alguns partidos políticos, encabeçados pelo o PSDB e o DEM, boicotarem a realização das Consociais, como foi o caso de São Paulo, onde mais da metade dos municípios não a realizaram.

A Participação Social já vem sendo trabalhada desde o início do Governo Lula e teve sequência no Governo Dilma, com organização de eventos como: Conselhos Deliberativos, Conferências, Encontros, Seminários, Fóruns, Ouvidorias, Orçamento e PPA Participativos, Audiências Públicas e Mesas de Diálogos.

De 2003 a 2012 foram realizadas 87 Conferências Nacionais, envolvendo mais de 7 milhões de pessoas, com uma abrangência de 40 Áreas Setoriais.

No âmbito federal existem na atualidade: 120 Conselhos Nacionais, sendo 40 com expressiva representação da sociedade civil e 270 Ouvidorias Públicas Federais.

Em regras gerais, a Política Nacional de Participação Social foi construída por meio de um amplo processo participativo, através de consulta pública virtual, com a minuta de Decreto tendo recebido mais de 700 contribuições e tem como principal a consolidação da participação social como método de governo. Para tanto, todos os órgãos e entidades da administração pública federal, direta e indireta (respeitadas suas especificidades), irão elaborar um plano de ação a cada dois anos para ampliação e fomento da participação social. Mais informações poderão ser acompanhadas pelo Decreto Nacional 8.243 de 23 de maio de 2014,  no endereço: (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8243.htm)

No sentido de garantir a participação da sociedade o Governo Federal criou o Portal Participa.br (http://www.participa.br), onde todo cidadão e cidadã tem o direito de se cadastrar, criar seu blog e participar de forma online e interativa de todas as discussões nacionais.

Ou seja, só entende aonde chegamos quem respeita a população como protagonista das políticas públicas, criadas, em tese para melhorar ou resolver problemas no seio da sociedade, como também quer o cidadão e cidadã como sujeitos de suas histórias.

Façam seus cadastros no Portal Participa.br e faça parte deste importante momento da história do país. Assim, se faz necessário resistir e combater ao sectarismo e garantir a reeleição da Presidenta Dilma, para que tudo isso não vire pó.

Saiba mais sobre o assunto no link: http://www4.planalto.gov.br/arenadaparticipacaosocial/a-politica-nacional-de-participacao-social

Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

terça-feira, 17 de junho de 2014

Uma viagem na história dos Povos da Floresta e de Chico Mendes


O 27º encontro de Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo, com os cursos: Plano de Governo e Ações para Governar e Empreendedorismo Social e Negócios Solidários, teve como cidade sede Rio Branco no Acre. Um Estado governado pelo Partido dos trabalhadores há 16 anos e na gestão atual em sua capital. Foram 67 participantes, que durante três dias estiveram atentos a todas as discussões e deram da melhor forma suas contribuições.

Um povo alegre, formado em sua essência por uma mistura de nordestinos, índios, negros e outros povos, resultando numa gente apaixonada pela sua terra e hospitaleira, capaz de contagiar todos os visitantes como eu. Senti-me em casa.

Do ponto de vista da capacitação, posso afirmar que foi um encontro emblemático, a partir do cenário de uma gestão consolidada no Estado e com um governo diferenciado na capital com o jovem prefeito Marcus Alexandre, que governa na rua junto com a população. A partir dessa constatação vieram as perguntas: o que fazer do ponto de vista do conteúdo dos cursos, quando percebemos que os gestores já produziram grande parte do que propomos? Como inovar para atrair a atenção dos participantes? O que podemos produzir que ajude a chegar na excelência de uma gestão que já é muito boa?

Num caso como esse, duas coisas são fundamentais: a experiência de vida e a participação constante dos presentes para ajustarmos o foco.

Foi assim que começamos e com um pouco de criatividade e intensa participação dos integrantes, fizemos com certeza um dos melhores cursos que já ministrei e eles o transformaram num momento inesquecível, com pessoas cantando e dançando no final, tanto com a contribuição de uma das integrantes, que cantou Geraldo Vandré, como o grupo Família Musical, que nos alegrou e nos mostrou como se canta o Hino do Acre.

Além do curso, tive a assessoria do Kenedy de Oliveira, um companheiro que me ofereceu um completo tour pela história do Acre, dos Povos da Floresta e principalmente da história do saudoso Companheiro Chico Mendes. Momentos de pura emoção.

Senti uma sensação estranha ao visitar alguns pontos históricos, tais como o Parque Chico Mendes com seu Memorial, a Biblioteca da Floresta e em especial Xapuri, onde estive no túmulo do Chico Mendes, no Museu que guarda sua história e na casa onde ele viveu e morreu. Todos os seus pertences ainda permanecem intactos, como se a vida cobrasse da própria história que essa é uma parte que jamais poderá ser esquecida.

Uma espécie de saudade misturada com a sensação de perda ao lembrar de que o Companheiro Chico Mendes deu sua vida para que os povos da floresta fossem respeitados. Foi exatamente isso que aconteceu. Um tremendo orgulho pode ser observado nos olhares das pessoas, que fazem questão de relembrar diariamente suas origens e os fatos históricos marcantes do Estado do Acre.

O que mais me impressionou nessa caminhada foi o sentido de pertencimento de que parte da população tem desse processo histórico e em especial as pessoas que estão envolvidas com o trabalho, mesmo os jovens que mostram tudo com muito cuidado.

Vale ressaltar que isso só foi possível pelo fato do Estado ser governado por alguém que viveu essa história e fez a opção de tornar sempre viva essa história de luta que continua tão presente como nunca.

Obrigado ao Vereador Marcelo Macedo. Obrigado a sua assessoria e em especial a todos e todas que participaram de forma intensa dos cursos

São histórias como essa que nos faz entender de que a luta continua.

Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Porque eu vou torcer pelo Brasil

Posso afirmar sem medo de errar que o Brasil está vivendo um complexo momento político e social, onde apesar de incluir milhares de brasileiros que não tinham direito a nada, na roda do desenvolvimento, a velha mídia, aquela mesma pertencente a seis famílias bastardas brasileiras querem de fato determinar o que pensamos e principalmente o que agimos e pegaram como prato preferido do momento a Copa do Mundo.

É inacreditável que uma minoria, insaciável e sádica pelo poder econômico queira determinar, quase por decreto, que o Brasil está quebrado, que não vai ter Copa, que a Dilma tem que perder as eleições, que o Salário Mínimo está muito alto, que não deve ter Cotas e principalmente que os pobres não devem ter casa própria e nem caro novo. Enfim que não devem mudar de vida, pois a sorte determinou quem deve ser próspero e quem deve servir aos ricos e bem sucedidos.

Um exemplo bem real dessa situação é a Copa do Mundo, que quando o Brasil foi escolhido para ser sede até o Alckmin, Romário e Ronaldo vibraram e hoje, travestidos de defensores do povo, expelem veneno de que o dinheiro gasto foi tirado da Educação e Saúde e também que nada no Brasil funciona e assim vamos passar vergonha, como se quando o país era governado por seus amigos, tivessem feito alguma coisa, principalmente pela educação e a saúde. Vergonha o povo brasileiro passava ao se curvar para o FMI e para os EUA, onde recebíamos comitivas dos bancos credores, determinando quanto de aumento se podia dar para os trabalhadores.

Quem achar que estou exagerando e quiser tiver dúvidas pode vir ao Estado de São Paulo e ver como um governo tucano de 20 anos quebrou o Estado e o tirou de continuar sendo a “Locomotiva Econômica” do país ou ainda de ser o carro-chefe econômico da Nação. Meus amigos, hoje o Estado de São Paulo não tem nem água, pois nada foi investido para que isso pudesse ser resolvido.

Desafio qualquer um desses indivíduos que puxam o “Não vai ter Copa”, caso fossem o Presidente da República no lugar do Ex-Presidente Lula, que tivesse recusado a possibilidade do Brasil sediar um evento como esse. Agora se o problema foi o boicote das empreiteiras ou ainda a alta corrupção existente nos Estados e Municípios que estão construindo ou reformando seus estádios ou arenas como chamam, se trata assim de um caso de polícia e do Ministério Público. Nada tem a ver com o evento em si, onde o Brasil tem a obrigação de fazer o melhor que puder.

Papo furado, balela, mentira da braba, é isso é que é toda essa confusão tramada em torno da Copa. Na verdade trata-se apenas de uma divergência política por essa Copa acontecer no país governado pelo PT, por Lula e agora por Dilma. Um país bem diferente do que era há apenas doze anos atrás, quando era vendido e servil aos EUA e principalmente ao FMI e seus agentes. O País hoje está livre dessas amarras.

Que tal sermos homens e mulheres de oposição, na expressão da palavra e aprovarmos uma Reforma Política, ampla, geral e irrestrita, que enterre de vez a corrupção oficial, ou seja, aquela movida por todos os partidos, na construção de um “Caixa Dois”, para financiamento das campanhas milionárias? Que tal prender todos que estão envolvidos com propinas, independente do Partido? Que tal criar CPIs para todos os escândalos, como por exemplo, para investigar os doze bilhões de propinas recebidos por agentes do Governo do Estado de São Paulo, de Covas, Serra e Alckmim, denunciados pela Siemens? Que tal envolver as empresas nos escândalos, pois posam como éticas, mas sonegam quatro vezes mais que a corrupção e aceitam o jogo do pagamento dos dez por cento?

Uma grande vitória do PIG que apoia a oposição ao Governo Federal e dos candidatos direitosos: Aécio, Eduardo Campos e demais, é que dê errado nessa Copa, para principalmente ser explorado nas eleições como uma incompetência do Governo de Dilma.

São por essas e outras que vou vestir verde e amarelo, cantar o Hino Nacional junto com a torcida e vibrar a cada gol, pois atrás dessa hipocrisia existem homens e mulheres que hoje fazem três refeições diárias, trabalham com carteira assinada, moram em casa própria, seus filhos estudam junto com os filhos da burguesia, mas principalmente porque sou brasileiro e como brasileiro, nordestino e que sobreviveu a tantos problemas, tenho orgulho de ser brasileiro. Avante Brasil! Rumo ao hexa!


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com