Mensagem

Faça seu comentário no link abaixo da matéria publicada.

sábado, 30 de agosto de 2014

Uma breve análise política para sossegar os corações.

A pesquisa Data Golpe de hoje a noite desnuda todas as intenções da direita, do PIG e principalmente da extrema direita com sua candidata transgênica. Uma candidatura construída à beira de uma tragédia e transparente quanto aos seus escusos anseios de chegar ao poder a qualquer custo, inclusive passando por cima do PSB se necessário for. Ela conta nesse momento com os agentes financeiros e com velhas raposas que já delapidaram os galinheiros no passado, assim como o agronegócio e também os banqueiros. Algo que de alguma forma imaginávamos, até porque Marina, na sua nova versão, não hesitará em se juntar a todos os demais candidatos reacionários e direitosos contra Dilma no segundo turno, porém nem de longe imaginávamos que ela conseguiria juntar tanto reacionário de plantão para dar o bote e quem quebrou o país no passado, como ela conseguiu.

Nós que sempre lutamos por um país livre e soberano sabemos que estamos lutando nesse momento contra as forças do mal, ou seja, de um mal organizado e elaborado até nas mensagens subliminares. Um mal que quer levar novamente o país para os tempos de trevas, onde o trabalhador nada tinha e o mercado financeiro global era o rei do pedaço. Um país que, além de não ter crédito, mendigava um espaço no cenário político e econômico global. Quem mandava no Brasil até 2002 era o FMI e o presidente tucano vivia pedindo a benção para o Tio San, mês sim e mês não. Era uma situação deplorável. Essa crise se agravou quando FHC resolve assumir o projeto discutido na reunião chamada de Consenso de Washington, que previa a entrada do neoliberalismo na América Latina e no Caribe, ora com Collor que fracassou e quis tudo só para ele depois com FHC que de forma eficiente encurtou o tamanho e potencial do Estado brasileiro, através da tese do Estado Mínimo, vendendo praticamente todo patrimônio nacional e dando total autonomia ao Banco Central, como previa o Manual de Instruções Neoliberal. Após a venda o dinheiro foi parar nos lugares e contas descritos pelo Jornalista Amauri Ribeiro Júnior (amigo de Aécio Neves), em seu brilhante livro: A Privataria Tucana. Essa saga durou até a entrada em 2003 de Lula, que estancou a onda, pagou o FMI e de quebra emprestou dinheiro ao mesmo, só para ficar claro de quem é que deve agora.

Nunca para nós foi fácil, sempre conquistamos tudo com muita luta, desde a eleição de Lula, sua reeleição e principalmente para eleger uma mulher vinda da luta contra a ditadura, que não só ficou presa por quatro anos, como foi barbaramente torturada e dessa vez não será diferente. Eles têm a mídia que quer dar um golpe em Dilma e no PT ao seu lado, porém nós temos o que há de mais sagrado: uma militância apaixonada e comprometida que faz campanha de coração e por convicção política e não por dinheiro, como é o povo deles.

Em termos de projetos, principalmente o de Marina, se trata em regras gerais, de um projeto camaleão, indecifrável aos olhos da população, mas não para os nossos. Sabemos exatamente o que querem, como querem,  quem está construindo a estratégia e o tamanho do estrago que poderão fazer com esses anos de conquistas e de inclusão de milhares de famílias novamente na sociedade, sem nenhum apoio deles ou da velha mídia. Os projetos são claros, tanto o de Aécio, como o de Marina, resgatam o que há de pior das práticas do passado e com a população bem longe das decisões políticas, como ficou claro no último debate, ao se referirem ao Decreto que cria a Política Nacional de Participação Social e sobre o Plebiscito que estará sendo votado na semana de 1 a 7 de setembro por uma Assembleia Constituinte exclusiva para discutir a Reforma Política.

Nesse momento me arrisco a dizer que o projeto de Marina é o pior deles, pois vende a alma dos trabalhadores, do povo pobre e do pequeno e micro empreendedor ao mercado global e ao capital internacional e ao mesmo tempo em que ilude a população afirmando que será a sua autêntica representante e defensora de seus direitos. Além dela ter traído as convicções que dizia ter quando se encontrava ao lado de Chico Mendes, joga nos braços dos algozes o futuro da população, principalmente a mais necessitada, sem o menor escrúpulo, como se tivesse vendendo almas ou ainda trocando "garrafinhas" para se perpetuar no poder. Odeio quem trata a população como "garrafinhas" ou massa de manobra. Por sua vez o PIG fica entre a cruz e a espada, pois ambos os candidatos são ótimos para derrotarem Dilma, principalmente juntos, mas pende para Aécio, pois não saberão como Marina agiria se viesse a ganhar e por conhecer profundamente e apoiar as políticas entreguistas defendidas pelo candidato tucano.

Como estatístico, posso afirmar, sem medo de errar, que é tão fácil conduzir emocionalmente os resultados de uma pesquisa como roubar um doce de uma criança, com um agravante de uma reunião ocorrida há dias atrás entre os institutos de pesquisa, que vazou, onde o principal objetivo era construir uma forma de derrotar Dilma e para isso não medirão esforços.

Em resumo, o que está em jogo é o futuro dos Pais. É o futuro de milhares de crianças, jovens, trabalhadores e trabalhadoras, mulheres, negros e pessoas com mais idade, que não tinha chão quando os agentes ligados a eles governavam no passado e hoje tem à sua disposição centenas de políticas públicas construídas a várias mãos que mudaram o Brasil e o futuro de todos e todas. Estamos falando de milhares de empregos com carteira assinada, salário mínimo crescendo acima da inflação, casa própria para os pobres, médicos para a periferia do país, Plano Nacional de Educação e tantas outras situações inimagináveis no passado. O Brasil hoje é respeitado principalmente por ter agido na redução das desigualdades e na construção de milhares de ações afirmativas.

Vamos ficar de olhos bem abertos. Nesse caminho existem sete mortes, um avião, que ao que tudo indica foi comprado com dinheiro de empresas de fachadas, o rei da soja, os latifundiários, os barões do agro negócio, os banqueiros e todos aqueles que sempre tiveram contra os trabalhadores assalariados e um dos sonhos deles é abaixar o Salário Mínimo e mandar uma parcela dos trabalhadores embora, para que novamente possam dispor do exército industrial de reserva (massa desempregada), para que possam controlar o salário e principalmente aumentar sua margem de lucro.

Não recuaremos um milímetro, até porque sabemos quem estamos defendendo. Defendemos Dilma, não pela sua beleza, mas pelo seu projeto e pelo fato de ser um projeto para todos e todas e não somente para meia dúzia de privilegiados, que moldarão um País da Casa Grande para eles e da Senzala para a maioria da população brasileira.

Enfim, só temos um caminho: a luta. É vencer ou vencer. É seguir em frente ou se entregar ao passado. Então se assim for, vamos a ela, com vontade e determinação, como se estivéssemos numa guerra, onde o maior patrimônio que é a sorte da população pobre está em jogo.

Encontrarmo-nos nas ruas, com a estrela no peito e o coração cheio de vontade de libertar o povo brasileiro.

Abraços Fraternos
Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
toni.cordeiro1608@gmail.com

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

É possível um candidato ou candidata ganhar o coração das pessoas além do voto?

Estamos nos aproximando das eleições. Um momento especial para a manutenção da democracia. O que vai ser decidido é se voltamos ao passado de trevas onde só um setor privilegiado tinha vez ou se continuamos em busca da inclusão da população, principalmente a mais carente no caminho da cidadania.

No meio desse oceano de incertezas com tantas promessas descabidas e mentirosas feitas pelos neoliberais e neoconservadores, tem algo que não tem explicação científica. Como os brasileiros adoram transformar algumas pessoas após a morte em santos do dia para a noite, sem ao menos um milagre sequer. Simples assim. Nem precisa de canonização e de milagres comprovados. O povo simplesmente o elege santo. Assim foi com Getúlio, Tancredo, Ulisses Guimarães e agora com Eduardo Campos. Não quero entrar no mérito desses homens como políticos, muito menos como homens públicos, isso fica para outra matéria, apenas da santidade atribuída. Pois de santos nenhum deles tinha nada. Tiveram seus momentos na história, mas não de santidade.

Diante do cenário nebuloso após o desastroso acidente, construído pela velha mídia, que sonha dar um golpe em Dilma e no PT e por alguns oportunistas de plantão, tem algumas perguntas que ficam paradas no ar, como por exemplo: O processo eleitoral está em crise? Como a maioria escolhe seu candidato ou candidata pela emoção e não pela razão, ou ainda pelo vizinho, como se dá essa escolha? Será que a maioria dos eleitores sabe em quem votou nas últimas eleições para deputado, por exemplo? Como o cidadão pode participar do processo político do dia a dia, se a mídia lhe fala diariamente que todos roubam ou que a política é uma coisa ruim? O que fazer para conter essa barbárie da mídia golpista como o quarto poder?

Quero acreditar que o processo eleitoral em si não esteja em crise, pois representa em regras gerais a festa da democracia. O que está em crise é o modelo eleitoral adotado, assim como o modelo de democracia escolhido pelo sistema econômico. Esses caminham a passos largos para o descrédito total. A maioria não representa ninguém.

Por um lado à velha mídia ora assopra quem escolheu e ora empurra no fogo um próprio assecla que se desviou dos interesses combinados com o sistema, como foi o caso do Collor e por outro, uma grande parte dos políticos se apaixonam tanto pelo poder, que acabam transformando um cargo que deveria ser transitório numa profissão e assim nascem os políticos de carreira. Só não se eternizam de forma vitalícia, como era o caso do Senado no passado, quando não conseguem, porém alguns nascem e morrem vereadores, deputados e senadores. Salve o Partido dos Trabalhadores, que no seu quarto Congresso, aprovou que os novos eleitos não poderão ficar por mais de três mandatos consecutivos.

As pessoas que não participam de nada, por acharem que o universo político é uma coisa do mal, são embaladas pela onda de boatos ou ainda pela questão emocional e vão votando em qualquer um. Porém, é visível que esse processo está na reta final e passa por um momento de séria reflexão, necessitando de uma ampla reforma política, que moralize de uma só vez os políticos e a política.  

Para quem leva a coisa a sério, ou ainda para quem enxerga as eleições apenas como uma parte do processo de transformação da sociedade, não dá para ficar assistindo tudo isso “dando milho aos pombos”. É fato que a mídia direitosa e conservadora, pertencente a seis famílias abastadas, com seus escusos interesses, impõe seus candidatos na medida de seus interesses e ninguém consegue fazer absolutamente nada. Somente a criação, a revelia, de um Sistema Nacional de Comunicação, com conselhos estaduais, municipais e nacional, colocará ordem na casa, assim como a criação de um Sistema de Radiodifusão Comunitária, que coloque o rádio e a tv a serviços da população.

Além disso, se faz necessária uma ampla Reforma Política que aponte principalmente para um financiamento público de campanha, no sentido de evitar o que vemos hoje, onde as maiores empresas de cada segmento escolhem e elegem seus candidatos, na base do “é dando que se recebe”. As empresas investem e esperam as benesses futuras. Um verdadeiro investimento na coisa pública. Algo muito lucrativo. Como diz o Ministro Jorge Hage da CGU (Controladoria Geral da União), para ter o corrupto tem que ter o corruptor. Esse papel é desempenhado por muitas empresas, que no final saem como vítimas do processo e não como as verdadeiras corruptoras. Quem paga os dez por cento de propina para os corruptos senão as empresas?

Se isso não bastasse, ainda temos a corrupção direta como protagonista dessa negociata em nome da democracia representativa. Um grande número de políticos vive disso. Tiram dos cofres públicos os recursos que poderiam ser empregados em políticas públicas, voltadas à população carente do país, ou ainda para o desenvolvimento econômico e social.

Você leitor deve estar se perguntando: porque nunca dá nada? Primeiro devido a uma parte da Justiça brasileira estar atrelada ao processo e segundo pelo fato da população não participar do dia a dia da política, tanto na construção, como principalmente no controle social das políticas públicas, ao contrário, é incentivada pela mídia a não participar, com o pressuposto de que é assim mesmo, rouba-se mas faz. Isso já se configura quase que no censo comum, fazendo com que os políticos sérios sejam obrigados a explicar o inexplicável.

Mais uma coisa me aborrece e muito. Os políticos de carreira contabilizam suas forças políticas, contando “garrafinhas”, ou seja, a quantidade de votos que dizem dispor. Tratam o povo, principalmente o mais carente, como “garrafinhas” (termo vulgar que alguns políticos de carreira chamam ao cidadão comum atrelado a eles) e isso, além de ser uma postura covarde, pois não é tratada às claras com o eleitor, faz com que aumente cada vez mais a distância entre o bem e o mal, entre o bom e mau político, entre a boa política desenvolvida a várias mãos e os “santos” de plantão que usam o povo para resolverem seus anseios pessoais. Esses políticos não representam ninguém a não ser a eles mesmos.

Votar em qualquer um acreditando que todos são ladrões, como é pregado, é no mínimo uma grande contradição, se não fosse cumplicidade. É mais ou menos assim: vota-se num ladrão esperando que esse ladrão possa lhe ajudar no futuro. Ou seja, uma corrupção combinada.

O resultado de tudo isso é desastroso, pois a maioria nem percebe que vota as vezes contra sua própria vida. Só para se ter uma ideia, 61% da sociedade brasileira é composta por trabalhadores e apenas 6% por patrões, porém no Congresso Nacional a coisa se inverte. A bancada dos empresários é bem maior, representando 49%, contra apenas 19% de trabalhadores. Com relação às mulheres, representam apenas 8% das cadeiras da Câmara e 2% a do Senado e negros e pardos apenas 8% dos parlamentares. Ou seja, acaba se elegendo quem tem mais dinheiro para propagandas e quem consegue mais tempo nos veículos de comunicação.

Esses números apenas revelam que o Congresso Nacional está muito longe de ser democrático. Revela também o retrato da sociedade brasileira, que transfere seus sonhos para seus pretensos representantes e depois os criticam, sem ao menos conhecê-los, seja na hora do voto ou durante o processo de seus mandatos.

A escolha de forma consciente de um candidato ou candidata deveria ser primeiro pela razão, a partir de um projeto construído a várias mãos e só chegar ao coração quando houver uma aproximação suficiente e ao ser chamado para construir juntos. Vale salientar, que quando se fala de coração, está se falando de uma relação construída a partir da sinceridade, da lealdade, de valores sólidos e principalmente a partir da transparência. A população tem que parar de eleger políticos de carreira e eleger representantes de projetos coletivos, onde esteja vinculada a alternância de pessoas do próprio grupo, no sentido de produzir novas lideranças e novos formatos.

Faz-se necessário também que se enterre de vez essa história de santos políticos ou políticos santos. O que existe de fato e de direito nesse processo, são homens e mulheres sérios, comprometidos com a mudança da sociedade e com a fim da miséria e a exploração, que uma vez eleitos, são confundidos com a bandalheira, da qual a mídia é a primeira cumplice. A santidade está no comprometimento e não no milagre. Está na transparência e não na bondade oculta. Está na forma de tratar os cidadãos e as cidadãs e principalmente na forma de se fazer política.

Na minha concepção não há milagres e muito menos santos no processo político numa sociedade capitalista e sim pessoas que fazem com a população e outras que a população por comodismo, permite que seja usada como verdadeira massa de manobra.

Somente a participação popular poderá mudar esse cenário e tirar a hegemonia de quem quer fazer pelo povo. Quem é sério chama o povo para participar e quem não é fica arrumando desculpas como justificativas e amuletos para que a população fique bem longe.

Para que um candidato ganhe o coração de seus eleitores, não precisa de barganha e muito menos troca de favores, precisa apenas tratá-los como protagonistas de uma causa política e de um projeto coletivo. Algo mais simples que o fluir das águas de um rio.

Garrafinhas do Brasil Uni-vos!
Quem lhe trata como garrafinha não lhe representa. 


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Como transformar um momento trágico numa verdadeira epopeia

Fazendo um recorte sobre sua definição, vamos aqui entender epopeia como: Um poema heroico narrativo extenso, uma coleção de feitos, de fatos históricos, de um ou de vários indivíduos, reais, lendários ou mitológicos. Essa é uma definição que se encaixa perfeitamente nos últimos acontecimentos.

Até o dia de ontem eu imaginava que já tinha visto de tudo em termos de politicalha, ou seja, a má politica, aquela que não mede esforços para enfiar de “goela abaixo” o que um grupo determina. Nesse caso estamos falando de um grupo econômico e político que governou o Brasil por muitos anos, até a chegada de Lula e Dilma e de seus asseclas. Além disso, nasce como estratégia de poder um novo partido que pretende determinar todas as ações da humanidade e principalmente o que julga ser certo e errado: o PIG – Partido da Imprensa Golpista, pertencente a apenas seis famílias abastadas, que dominam 75% de todos os jornais, revistas, rádios e canais de televisão. Estamos falando de algo que representa na atualidade o quarto poder.   

Porém, os últimos acontecimentos foram "pacabá", como dizem na gíria popular. A mídia e a direita raivosa, que pretendem dar um golpe em Dilma e no PT em nível nacional, transformaram a morte e o velório do Eduardo Campos num episódio político e ideológico com muitos holofotes. Entre as barbaridades ocorridas, os presentes no velório pediam justiça e vaiavam Dilma, puxando inclusive um grito de “Fora Dilma”. Gente da mesma espécie daquela que mandou a Presidenta para aquele lugar em plena abertura da Copa do Mundo. Ou seja, gente da pior espécie, apesar da maioria ser pernambucana como eu. Gostaria muito de saber justiça sobre o que. Será que imaginam que a oposição ao Campos sabotou o avião? Só falta isso acontecer. Aí será o fim.

O PIG com o então candidato Campos ainda desaparecido nos escombros, trocava de candidato em pleno voo, ou em plena tragédia e à luz do dia. De Aécio para Marina. Vale lembrar que a Globo colocou o 40 e o 45 na logomarca de sua novela: Geração Brasil. Ou seja, tanto lá como cá. Numa alusão de quais seriam seus candidatos e no sentido de influenciar seus pobres telespectadores.

Os ditos analistas neoliberais de plantão: Merval, Miriam Leitão, Jabor, um indivíduo da Veja e todos os demais golpistas que estão festejando a nova opção pós-morte, fizeram projeções, contaram casos do passado, cantaram o resultado da pesquisa como seria e para terminar, em pleno enterro, o locutor da Band News, comentando que só Marina poderia cumprir o lema da faixa: “Não desistiremos do Brasil”, como se o governo de Lula e Dilma, não tivesse tirado o Brasil do caos, da lama financeira, do FMI, do privatismo, do marasmo econômico, do desemprego, da falta de moradia, dos sem médicos, dos desempregados e principalmente da barra da saia dos Estados Unidos e do Clube de Paris.

O ódio é principalmente porque o Brasil de hoje não é mais de meia dúzia de privilegiados, mas de todos e todas com as novas oportunidades. O Brasil não é mais do “deus mercado” e sim de um Estado forte, que leva bem estar para a maioria da população e provê recursos materiais, financeiros e humanos.

No velório, vaias para a Dilma e comentários escabrosos de alguns políticos que seus passados dariam um filme de terror. Tudo isso como se estivessem nos bastidores de uma grande partida. Enquanto na frente muitos choravam, nos fundos do prédio muitos políticos faziam planos e conchavos.

Para mim tudo foi lamentável. Da tragédia ao uso dela por muita gente, da dor da família aos gritos insanos de militantes em chama e principalmente pelos conchavos políticos descabidos numa hora, onde principalmente seus aliados deveriam estar chorando pela perda de um de seus líderes, que controlava tudo à mão de ferro e já preparava seu filho mais velho para sua sucessão futura e não fazendo planos de sucessão. Essa é a verdadeira politicalha. Ficou claro que politicamente falando, Eduardo Campos para eles mesmos, representa apenas números e mais números.

Como estatístico, avalio que a pesquisa do Datagolpe não foi surpresa alguma, pois seu resultado já estava definido. Primeiro ela empata com Aécio e depois empata em segundo turno com Dilma. Tudo muito previsível. Tudo muito combinado. Uma pesquisa forjada pela emoção e não pela razão.

Agora é esperar para ver o que a sorte determina. Dilma, o PT e seus aliados terão que lutar contra o PIG, contra a direita raivosa e principalmente contra os remanescentes da epopeia.

Quem são aqueles cavaleiros do apocalipse? De que apocalipse estão falando? Que país é esse onde todos desistiram dele? Estarão falando eles de marte? De que caos estão falando? Ou representam eles o próprio caos?

Acredito piamente que essa história está apenas começando. Ainda muito mais estar por vir a se iniciar pelos acontecimentos da próxima quarta feira.

Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Você já pensou na importância do voto para você e para a democracia?

Quero iniciar essa conversa, indignado e lamentando a morte de Eduardo Campos, que por coincidência ou não, ocorreu no mesmo dia da morte do seu avô Miguel Arraes. Sua morte deixa o processo eleitoral mais pobre. Quem perde é a democracia.

É inacreditável o que rola no momento nos diversos noticiários do PIG. Eles não estão preocupados com o que aconteceu do ponto de vista humano, mas apenas e tão somente com a preocupação do que possa ocorrer no cenário político eleitoral. Como dar uma virada ou uma reviravolta nas projeções eleitorais. Para isso estão usando a figura fragilizada de Marina Silva, que é obvio que assumirá o posto de sucessora de Campo, até mesmo por uma questão de humanidade. São urubólogos urubologando.

Para o PIG Marina Silva é como se fosse um antídoto contra Dilma e o Partido dos Trabalhadores. Para isso fazem projeções, puxam fatos semelhantes que ocorreram no passado e pregam: “Contra Dilma? Marina nela!”. Lamentável! Profundamente lamentável. Imagino que a hora seja de lamentar o ocorrido e deixar para que o PSB e Marina decidam o que todos sabemos que ocorrerá. Da minha parte acharei ótimo que venha Marina, pois ela só irá tirar o sono do candidato Aécio.

Enquanto assistia o noticiário, apesar da minha revolta, senti vontade de escrever sobre o processo eleitoral. Falar um pouco sobre a importância do voto e de votar, principalmente para mostrar para muita gente que posta no facebook e outras redes coisas inacreditáveis, que o voto ou o ato de votar, não caiu do céu e sim foi uma dura conquista a partir de muita luta. Estamos nos aproximando das próximas eleições. Uma data importantíssima para a manutenção do processo democrático brasileiro e para o exercício da cidadania.

Um amigo hoje no facebook postou um cartaz com a seguinte frase: “Em 2014 vote em Ali Babá, Ele só tem 40 ladrões”. Uma frase que reflete o extremo do senso comum imposto pela velha mídia golpista, aquela mesma que pertence a apenas seis famílias abastadas e que torce para que o PT e a Presidenta Dilma errem feio, tanto pelo fato de provar que um Partido de origem de trabalhadores não tem condições de governar o Brasil, como também por tentar emplacar seu principal candidato.

Respondi a esse amigo: “Caro amigo. Permita-me discordar radicalmente de você. Esse é um tipo de comentário que coloca todos na lata do lixo. Trata-se do senso comum imposto pela mídia. É claro que não é assim. Mário Sergio Cortela, por exemplo, respondeu a essa pergunta afirmando o seguinte: menos de 10% da população pode ser considerada de pessoas corruptas, envolvidas com a violência e com coisas antiéticas, o restante são pessoas trabalhadoras e do bem. É essa mídia golpista, que pertence a seis famílias abastadas, que vende a ideia de que todos são iguais e que todos roubam, que passam essa ideia distorcida da democracia. Eu particularmente defendo a ideia de que a maior responsabilidade é do próprio povo, que ao não participar da vida politica do país, votam em qualquer um, seja por desprezo da política como a mídia determina, por ignorância ou ainda pela falta de completa de conhecimento. Assim, como muita gente morreu para que você eu tivéssemos o direito de votar, vale a pena participar e votar de forma consciente. Um país sem partido é uma ditadura e toda ditadura é algo do mal. Eu vou votar em pessoas que sou capaz de jurar que não roubam. Se você quiser lhe passo a lista. Abraço e saudade dos velhos tempos de nossos debates”.

A propósito, coletei alguns dados sobre a história do voto e do processo eleitoral no Brasil, apenas para dar sentido ao assunto desse artigo e também para que algumas pessoas que o lerem, possam se informar e saber que nada caiu do céu. Foram anos de luta contra ditadores, onde muitos pagaram com a própria vida.
Segundo dados da Câmara dos Deputados, a primeira eleição no Brasil, que se tem conhecimento, aconteceu em 1532 quando os moradores da Vila de São Vicente em São Paulo foram às urnas para eleger o Conselho Municipal. Isso mesmo. Um Conselho Municipal. Numa eleição indireta, o povo elegeu seis representantes e em seguida a escolha dos oficiais do Conselho.
Nas diversas contradições da democracia brasileira, o voto transitou por diversos momentos. Em 1821, por exemplo, os homens livres acima de 25 anos, inclusive analfabetos, puderam eleger representantes para a Corte Portuguesa. As pessoas com menos de 25 anos, só podiam votar se fossem casados ou oficiais militares, desde que tivessem no mínimo 21 anos. A permissão para os maiores de 18 só ocorreu em 1934.

Em 1881 a Lei Saraiva estabelece a obrigatoriedade do Título de Eleitor, porém estabelece a proibição do voto do analfabeto.

Imaginava-se que a Proclamação da República em 1889, trouxesse mudanças importantes na Legislação Eleitoral criada em 1824, porém o que aconteceu foi a manutenção da proibição de eleitores menores de 21 anos, mulheres, analfabetos, mendigos, soldados rasos, indígenas e integrantes do clero. Ainda era o setor privilegiado quem decidia sobre os rumos da Nação. Apenas em 1891 a população teve acesso ao voto para presidente e vice da República.

Dando continuidade ao processo eleitoral, há de se destacar o ano de 1932. Nesse ano foi criada a Justiça Eleitoral, a mulher ganhou o direito de votar e foi aprovado o sigilo do voto.

Tudo ia muito bem até que em 1937 o Código Eleitoral é revogado. As eleições livres são suspensas e é estabelecida a eleição indireta para presidente com mandato de seis anos. Vale registrar que de 37 a 45 foi o período do Estado Novo, onde certo cidadão que já estava no poder a muito tempo de nome Vargas impõe uma nova Constituição, em um golpe de Estado autoritário, dilui o Congresso e assume poderes ditatoriais com o objetivo de perpetuar seu governo. Essa situação só muda com a nova Constituição de 1946, onde o processo democrático foi retomado.

Essa Constituição dura até 1964, quando um novo golpe, agora militar assume o poder, destituindo o Congresso e somente em 1989, a partir de muita luta por democracia e diretas já, o povo pode novamente eleger um presidente de forma direta (Collor), que não dura muito tempo no poder e é cassado pouco tempo depois, assumindo seu vice, nada mais, nada menos que o Sr. Sarney. O período militar foi um dos períodos mais sombrios do nosso país, tomado por uma forte repressão, tortura e muitas mortes e desaparecidos na luta por liberdade e por eleições livres e diretas.

Com a constituição de 1988, conhecida como a Constituição Cidadã, uma nova era eleitoral tem início, além de restabelecer as eleições diretas, os jovens passam a ter o direito de votar a partir dos 16 anos e as pessoas acima de 70 anos também.

Esse pequeno histórico revela apenas a importância do voto e das eleições, que na verdade é indiscutível, mesmo que seja obrigatório, que não deveria ser, porém o que está em discussão não é o voto em si, mas a grande luta do momento pela moralização da política e dos políticos, onde o combate à corrupção seja a grande palavra de ordem. Precisamos sair na defesa de quem é sério, mas diante do sistema que impõe que um candidato a Deputado Federal, para disputar é pé de igualdade com os demais tenha que dispor de 10 milhões de reais para a campanha, fica difícil para a população entender tamanha heresia. Perguntam: de onde veio esse dinheiro? Qual a vantagem diante de um custo tão alto? Quem financiou? E eu pergunto: a quem pertencem os mandatos? Porque se for do próprio indivíduo, sinceramente não vale a pena nem o apoio. Os mandatos tem que serem da população junto com os partidos que originou a candidatura. Prestação de contas permanentes para a população e para os filiados do partido. Assim deveria ser.

Uma saída é a provação de uma Constituinte exclusiva para uma ampla Reforma Política, que aprove um financiamento público de campanha e outras medidas visando maior controle por parte da população e um absoluto controle no financiamento privado, que se constitui na principal fonte de corrupção quando as empresas pedem de volta seus investimentos.

Apesar da importância do voto e do ato de votar, se você meu caro ou cara, leitor ou leitora, não participar, continuará votando em quem pensa por você.


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

domingo, 10 de agosto de 2014

A paixão pela questão política e o compromisso com a população superando as dificuldades nos municípios






O Curso Plano de Governo e Ações para Governar da Fundação Perseu Abramo, desenvolvido a partir de várias experiências bem sucedidas dos governos petistas, busca entre outros assuntos relevantes, contextualizar o que deva ser na visão dos próprios gestores, o chamado Modo Petista de Governar. Modo esse, que a meu ver não se traduz simplesmente num manual de normas e procedimentos, ou ainda somente na oferta das diversas experiências bem sucedidas ao longo do tempo, mas na reflexão de a quem pertence os mandatos e ainda num profundo debate político de que sociedade temos e que sociedade queremos, a partir de cada município brasileiro.

Faz-se necessário na verdade, mergulhar de cabeça no universo e nos diversos cenários de cada gestão, nos problemas cotidianos, aproveitando o que de melhor já foi realizado e propondo novas ações. Uma ação de ensinar e aprender, onde cada gestão, a partir da cultura local, possa nos passar novos conhecimentos e novas ações e assim o curso ir assimilando novos valores num processo dialético de constante transformação.

Com isso, não podemos cair no risco de se tentar desconstruir qualquer tipo de ação já desenvolvida ou em desenvolvimento, a não ser que esteja em desacordo ético com o partido ou ainda o que imaginamos que o partido espera de cada gestor e gestão e sim possibilitar que as diversas experiências, possam na verdade criar um novo estímulo e apontar possibilidades de mudanças efetivas na qualidade da gestão, que resulte em melhores serviços para a população, principalmente a mais carente.

No debate ficam evidentes várias coisas. Entre elas, o fato de que a maioria dos gestores chega à conclusão que nem eles estão totalmente preparados para uma gestão participativa e nem mesmo a população está preparada para governar junto, o que faz com que discutam também o que e como fazer. Além disso, chegam também à conclusão de que um dos grandes desafios da gestão vem do fato da falta de integração do governo, que segundo eles nasce da cultura mercantilista existente na sociedade, do processo de alianças mal resolvidas, da vaidade de alguns gestores e principalmente, em alguns casos, da falta de determinação das mentes centrais dos governos em derrubar os muros existentes em cada espaço e implodir as “caixinhas de poder”. Um projeto estratégico de governo exige integração de todos os setores e de todos os colaboradores. 

Tenho afirmado aos prefeitos e prefeitas que comparecem nos cursos, de que quanto mais participação popular tiver em seus governos, mais barato irá custar a campanha para reeleição ou sucessão, assim como de que vale a pena governar para toda a população, mas estarem sempre ao lado da população mais fragilizada. Cito para essa afirmação, o que o ex-presidente Lula, quase no final de seu governo declarou para a imprensa: “Governo para todos, mas tenho lado”. Uma clara demonstração de quem usou o espaço de poder, para fazer com que a população mais pobre tivesse vez e voz.

São poucas as cidades governadas por prefeitos e vices, filiados ao Partido dos Trabalhadores. Uma chapa pura como chamamos. Normalmente são alianças compostas por vários partidos, o que faz com que seja necessária a criação de mecanismos como por exemplo um Conselho Político de Governo, como foi criado em Araraquara no Governo do Edinho e em outras localidades, capaz de democratizar o processo de gestão e também regular as insatisfações, ciúmes e ampliar o debate sobre o modelo de gestão que queremos. Essas alianças compõem na verdade um cenário do PT e seus aliados. Uns mais fáceis de trabalhar uma visão democrática e participativa e outros nem tanto. Porém, no final das contas saímos dos municípios com a certeza de que contribuímos para o fortalecimento daquela gestão, a partir de valores amplamente discutidos, onde prevalece à visão programática em detrimento à cultura mercantilista presente infelizmente, numa grande parte das administrações públicas no país.

Até o momento foram 32 encontros em cidades sedes, em 11 estados, com 167 cidades presentes e 1316 participantes. Entre eles prefeit@s, deputad@s, inúmer@s secretári@os e demais gestores, além de pessoas ligadas ao partido e conselheiros municipais. Quase por unanimidade, o curso foi avaliado, como sendo bom, ótimo e excelente pelos participantes que preencheram a avaliação, o que faz com que continuemos com esse método, até mesmo porque ele não é findo, vai se atualizando a cada encontro e nas diversas mudanças de conjuntura política, econômica e social. Além disso, a avaliação afirma que a metodologia e a didática atingiram perfeitamente os objetivo. Só tenho a agradecer a todos e todas que possibilitaram que tudo isso pudesse estar acontecendo.

Estivemos em todas as regiões do Brasil e só não chegamos a mais municípios onde o Partido dos Trabalhadores está presente na gestão, por motivos alheios à nossa vontade, que não vem ao caso discutir nesse espaço. Porém, como não desistimos jamais, com certeza, num breve espaço de tempo, chegaremos aos demais municípios para fortalecer o Partido dos Trabalhadores partido, as gestões e o Modo PeTista de Governar.

Grande parte dos municípios visitados vive a mesma situação econômica e social. As prefeituras acabam se transformando na maior empresa da cidade, colocando em risco a qualidade da gestão, pois muitas delas estão "inchadas", abrigando parentes e amigos dos políticos anteriores locais, além de muitos deles estarem comprometidos perante a Lei de Responsabilidade Fiscal, principalmente no que se refere ao teto da Folha de Pagamento, ou seja, nos 54% do Orçamento Público Municipal. Além disso, uma grande parte da população ainda se encontra vulnerável à pobreza, segundo dados da ONU, obrigando que a pauta municipal mais importante seja a criação de um Plano de Ação para o Desenvolvimento Econômico Social, como ponto de partida para todas as Políticas Públicas.

O fato que mais chama a atenção é que a maioria dos gestores e técnicos dos governos municipais vai aprendendo na prática, pois a formação em gestão pública é uma grande novidade nacional que não tem dez anos, inclusive no próprio Partido dos Trabalhadores, que sempre buscou atualizar esse referencial, mas somente nos últimos tempos foi possível sistematizar em termos de formação acadêmica para seus filiados: mestrado, pós-graduação e outros cursos de Extensão voltados à militância e aos gestores.

Na maioria dos casos, os gestores vão se virando com muita dedicação, compromisso e uma intensa paixão política pelo que fazem. Sabem os perigos e vícios que rondam o sistema, mas também sabem que se usarem bem o espaço técnico e político emprestados pelo povo, a partir do processo eleitoral, ficarão na história como alguém que fez o que tinha que ser feito quando era possível e mesmo que não continuem a partir do julgamento da maioria da população eleitora, para aqueles que entenderam essa nova forma de governar, serão sempre vistos como os que plantaram e um dia a população mais carente colherá.

Entre inúmeras avaliações sobre o curso, o Prefeito Zeca do pequeno e charmoso município de Santo Cristo no Rio Grande do Sul falou em seu comentário: “O curso que tem um bom conteúdo, poderia nem mesmo ter, pois o mais importante que ocorreu foi à possibilidade da realização de um grande debate político, coisa que todos nós estávamos precisando”. Enquanto isso, a Prefeita Bett Sabah de Rondolândia no Mato Grosso sempre diz em seus comentários sobre o trabalho que fizemos lá: “Os cursos (porque lá foram dois: gestão e economia solidária) possibilitam que todos nós façamos uma profunda reflexão sobre qual é nosso papel numa administração pública, ainda mais sendo uma Administração ligada ao nosso Partido dos Trabalhadores”.

Como paulofreiriano, aprendi que viver é isso. Aprender e ensinar. Ensinar e aprender. Um movimento simultâneo e contínuo que nos leva à reflexão de que não sabemos tudo, apenas uma pequena parte do todo. Estamos sempre aprendendo. Com um pouco de humildade podemos nos tornar alunos aplicados da própria vida.


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

A guerra invisível que a maioria da população nem fica sabendo

Figura: http://parolebrevi.wordpress.com/

Ao olhar do último andar de um prédio de qualquer cidade, a impressão que dá é de uma paz absoluta. Ainda mais se for à noite. Apenas um barulho típico de cidade nos vem de imediato e a confusão de luzes dos prédios, ruas, avenidas e os automóveis a circular.

Nem dá para imaginar que no meio de tudo que vemos ao longe, existe uma violência incontida, que afeta todos os segmentos da sociedade. Trata-se da violência urbana que já invade a rural. Algo ligado à modernidade, sem regras e sem limite. Uma verdadeira guerra entre o bem e o mal, além da guerra pela manutenção do poder.

Essa violência aliada ao descaso da maioria dos governantes mata uma mulher a cada duas horas, 72 jovens por dia, sendo 50 jovens negros, além de 115 mortes diárias por acidente de trânsito. Um pequeno resumo do caos urbano e rural, o que faz com que a questão da violência e de sua prevenção seja um dos assuntos mais discutidos, porém fica apenas no papel na maioria das cidades brasileira, sem contar que a polícia brasileira mata quatro vezes mais que a dos EUA. Em muitos casos mata pelo prazer de matar ou pela síndrome de Rambo.

Essa é a violência que se vê, porém existem muitas outras que está no dia a dia, no interior das instituições, como é o caso das crianças que simplesmente desaparecem e são assassinadas para venda de órgãos ou vendidas para famílias estrangeiras e as mulheres vitimizadas pelo crime sexual? No meio de tudo isso existe ainda a droga, onde os traficantes aliciam jovens indefesos em nome de uma vida fácil. A disputa é diária e à luz do dia.

Além de toda essa violência, vivemos numa sociedade alienada pelos meios de comunicação pertencentes a seis famílias abastadas e reféns da indústria da corrupção. A propina virou uma moeda de troca e os escândalos já não abalam os muitos empresários que são os verdadeiros corruptores, além dos corruptos, dependendo claro do volume arrecadado.

A grande dúvida na cabeça de grande parte da população, com relação às próximas eleições é quem votar. A imprensa golpista diz que todos são iguais e todos roubam e a falta de informação gera a insegurança de não se saber em quem está votando. Aí o resultado é votar em qualquer, visto que se vende a ideia de todos agem da mesma forma.

Só há uma saída. Quanto mais se pratica gestão participativa mais barato se torna uma eleição e quanto mais o cidadão participar e praticar seus direitos de participação e de gestão social, menos corruptos serão eleitos e mais corrutos serão desmascarados.

Afinal, quem tem um projeto de vida paga o preço. Quem tem um nome a zelar não aceita dinheiro fácil. Quem defende a humanidade não aceita ser financiado por quem a explora e quem usa o ato de governar como meio jamais usará para beneficio próprio e sim para mudar o que for necessário na sociedade. Romper com o sistema e criar uma nova sociedade.

O mais interessante é que parte dessa guerra invisível está nas redes sociais. Todos os dias se faz necessário se divulgar o óbvio para que o insano não prevaleça.

Portanto, na dúvida participe!


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Navegando nas águas dos Rios Amazonas e Pará em busca da troca de conhecimentos

Estive afastado do meu blog por alguns dias, simplesmente degustando o que significou uma incursão pelo Pará em três cursos de gestão pública nas cidades de Cametá, Gurupá e Almeirim e a troca de experiências com os povos da região. Foram mais de 40 horas de barco, lancha e balsa, 8 de ônibus e 4 num pequeno avião, além de taxi, moto táxi e os aviões de carreira. Uma verdadeira e ótima aventura.

Quando os companheiros da APA (Assessoria & Projetos da Amazônia) entraram em contato comigo, em busca de informações sobre como levar uma capacitação de gestão pública para algumas prefeituras do Pará, logo de pronto aceitei, primeiro pela dificuldade que tinha em chegar até essas prefeituras sem ajuda e segundo porque de fato tinha um enorme interesse em fazer um trabalho nesse Estado. Fui informado que o deslocamento era um tanto complicado, mas não imaginava a distância e muito menos o que significava viajar por mais de 20 horas num barco para o deslocamento de uma cidade para outra.  

Ao chegar a Belém, tudo estava pronto, desde o roteiro das viagens até os contatos com cada prefeitura. Em cada cidade um povo hospitaleiro nos aguardava.

São cidades simples em busca de desenvolvimento, com problemas de mobilidade urbana e rural, com mais da metade da população cadastrada no Programa Bolsa Família e alguma suspeita de que muitas delas possam ter mentido para o IBGE para não perderem o direito ao Programa, coisa que os gestores estão investigando e agindo. Ao encontrar famílias nessa situação, logo são tiradas do Programa, que é o que todos os gestores deveriam fazer em suas cidades, porém sabemos que muitos deles usam o Programa como moeda de troca de votos.

Quando nos deparamos com gestores tão interessados numa nova forma de governar e comprometidos com as causas humanistas, como foi o caso desses prefeitos e tantos outros que estiveram presentes nos 32 encontros que fizemos em cidades sedes, passamos a entender melhor a carência técnica existente para a maioria dos gestores que estão no comando das prefeituras, assim como da importância das capacitações em busca de um modelo de gestão: ético, integrado, transparente e participativo.

Há pouco menos de dez anos, quando iniciei estudos sobre gestão pública no Brasil, me deparei com a situação de que havia apenas 22 cursos no país e não de Gestão Pública, mas de Políticas Públicas, o que deixa claro de que esse era um campo de trabalho considerado como “terra de ninguém”, onde nem as universidades tinham o menor interesse nesse assunto.

Ainda hoje grande parte dos servidores de carreira é mal remunerada, não existe um plano de carreira e muito menos perspectivas de crescimento. Temos sugerido um Plano de Ação Participativo, onde se construa no processo da gestão uma Reforma Administrativa, capaz de profissionalizar a máquina pública e aumentar a eficiência e eficácia nos serviços oferecidos à população.

Só para ser ter uma ideia da situação, o primeiro curso de Gestão Pública e Social no Brasil foi lançado por nós no UNASP em 2010, a partir da experiência do Grupo Gestor de Integração e Planejamento da Prefeitura de Artur Nogueira, na gestão do Prefeito Marcelo Capelini. Dessa experiência nasceu também o primeiro Laboratório e diversos Cursos de Extensão Universitária na área de Gestão Pública.

O que mais me chamou a atenção foi a determinação dos gestores em busca de uma nova forma de governar, além de procedimentos para a moralização da máquina pública e da própria gestão.

Um dos temas mais discutidos nos cursos foi a possibilidade de formatarmos um Plano Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social, onde fossem respeitadas e potencializadas as áreas de Economia Solidária, a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa e o mercado formal.
Saímos de lá com a possibilidade de criarmos um Núcleo de Desenvolvimento com os três prefeitos, fazermos um Seminário com os demais prefeitos e prefeitas onde o Partido dos Trabalhadores estiver presente, como também uma possível parceria com a Universidade Federal do Pará, para formatação de produtos voltados aos Temas Ambientais. Tudo isso em parceria com a APA – Assessoria & Projetos da Amazônia.

Que o exemplo do Pará possa ser socializado com os demais gestores interessados e comprometidos com uma nova forma de governar.


Tenho plena convicção que aprendemos na mesma proporção que ensinamos e é essa troca que nos faz caminhar.
Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada
em Gestão Pública da Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro1608@gmail.com