Mensagem

Faça seu comentário no link abaixo da matéria publicada.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

O Brasil está de fato dividido?



Passado o sufoco da campanha, o nervosismo do medo de perder as eleições justamente para o setor que privatizou o país e só cuidou da elite e a euforia de mais uma vitória, chegou a hora de fazer minimamente uma breve análise desse processo eleitoral e o que poderão ser os próximos passos para os que militam por uma causa política e social.

Os resultados dessas eleições, se não forem bem digeridos como uma alimentação necessária da democracia e não como a última opção democrática, pode nos levar a interpretações e práticas pra lá de absurdas, ou ainda sem a menor racionalidade.


É claro que como um nordestino que se preza e tem vergonha na cara, também estou com a “faca nos dentes” devido ao desrespeito, racismo e tamanho preconceito cultuado por fundamentalistas e alienados tanto da elite como da população pobre que quer imitar a elite. Como petista, não consigo entender como uma grande parte da população não consegue entender que melhorou de vida, quando antes nenhum trabalhador podia financiar uma casa pela Caixa Econômica, ter um filho numa faculdade e muito menos viajar de avião, entre tantos outros avanços que o país teve.

Faço parte de um dos milhares de famílias que foram obrigadas a deixar sua terra natal e vir para São Paulo em busca de sobrevivência, por pura falta de opção e de políticas públicas econômicas e sociais. Assim como também outros milhares de crianças nordestinas e pobres, sofri muito na minha infância em São Bernardo do Campo, também por preconceito. Porém, a partir do momento em que comecei a participar das Comunidades Eclesiais de Base, da vida sindical e posteriormente da vida partidária no Partido dos Trabalhadores, descobri que a questão não era geográfica e sim de ordem política-ideológica, pois os pobres do sul não são diferentes dos pobres do norte e nordeste e tampouco o racismo daqui seja diferente de qualquer parte do mundo.

Hoje considero São Paulo parte da minha vida e outras partes do Brasil como parte da vida de todos os brasileiros. O ódio, preconceito, racismo, homofobia e tantos outros comportamentos desprezíveis usados nessa campanha, fazem parte da reação daqueles e daquelas que sempre tiveram e não suportam dividir ou ainda dos que não tem e acham que quem estar tirando deles é a classe de baixa renda. Tudo isso impulsionados pela falta de solidariedade. Muito desses ou dessas que estão nesse time, fazem maldades de segunda a sábado e no domingo rezam, oram e fazem benevolências como voluntárias, como se a verdadeira missão da vida fosse isso. A vida em comunhão requer muito mais. Essas pessoas agem como se tivessem ainda na Casa Grande em oposição à Senzala que resolveu dar seu grito de liberdade.

É nesse cenário que nascem todas as desavenças. É dessa forma de pensar que nasce a arrogância e a discriminação e é por onde brota principalmente a raiz da corrupção. Muitas dessas pessoas que bradam por justiça, acham normal corromper um servidor para que o mesmo retire do sistema de uma prefeitura seu nome evitando uma multa de trânsito, por exemplo. Ou ainda, se empresário, “molhe” a mão de um servidor para que sua empresa possa ganhar uma concorrência. Isso para eles não é corrupção e sim uma necessidade de sobrevivência. A Presidenta Dilma interrompeu esse ciclo quando sancionou a Lei 12.846/14, chamada de Lei Anticorrupção, que pune corrupto e corruptor.

Vendo e assistindo esse “circo dos horrores”, sem exercer minha prática usuária de pensar, minha vontade inicial é pegar a música de Ivanildo Vila Nova, que por sinal é parente da minha esposa, “Nordeste Independente” e começar uma luta no país pela divisão do nordeste, exatamente como está na letra da música.

É claro que se trata de uma atitude tão insana como a deles que de fato propõem essa divisão, principalmente porque sabemos que a questão é político-ideológica e esse mesmo preconceito existe em todas as partes do Brasil e do mundo. Os fundamentalistas que militaram nessa campanha e espalharam o terror não é azar só nosso, pois milhares deles também existem em várias partes do mundo. São agentes da luta de classe. Lutam para ter um país só deles: sem negros, sem homossexuais, sem os índios que expropriaram suas terras, sem gente que pensa e, sobretudo sem pobres com direitos, pois os sem direitos eles querem para fazer o trabalho pesado e menos qualificado, além de muitos que ainda os querem como escravos. Não aceitaram até agora a Lei Áurea.

A militância política nos faz caminhar e a luta por uma sociedade justa, fraterna e igual para todos e todas nos une. Precisamos em nome de um projeto maior termos muita calma nessa hora de provocação e lembrar que quem perdeu foram eles. O projeto que defendemos tem mais quatro anos para ser aprimorado e internamente temos tempo para ajustar o partido de acordo com os anseios das ruas e da onda vermelha.

Tenho plena confiança que o Brasil não está dividido e sim contaminado pelo ódio e pela intolerância. Muitos dos que votaram contra Dilma são pessoas de bem e foram enganadas pelo terrorismo político exercido nos últimos doze anos pela mídia golpista, pelo fato de não terem nenhuma informação e beberem da fonte dos algozes que promoveram a ditadura no passado e privatizaram o país na era FHC e levaram o dinheiro para bem longe, como está escrito nos Livros: “A Privataria Tucana” e “Brasil Privatizado”. Esse público que foi usado por eles não é para ser desprezado e muito menos combatido e sim conscientizado.

Portanto, se faz necessário que ampliemos os canais de comunicação, que levemos à população o que foi feito, o que está sendo feito e como ela, a população, poderá participar da formulação, implantação e controle de todas as políticas públicas de seu município e assim passar a ser sujeito de sua própria história. Precisamos também criar uma Política Nacional de Comunicação que regre a informação, ou ainda que em nome de uma falsa liberdade, uma revista, um jornal, uma rádio ou ainda um canal de televisão, seja impedido por lei de praticar crimes eleitorais e terrorismo, seja contra que partido for, como foi o caso de todos os jornais, dos canais de televisão, dos rádios e das revistas, que fizeram terrorismo o tempo todo e praticaram crime eleitoral na véspera das eleições, com o nítido propósito de prejudicar a candidata Dilma. Ou seja, planta-se um factoide e depois quem se sentir prejudicado que corra atrás.

Em resumo, existe de um lado um projeto sustentado por mais de 500 anos no Brasil, de puro feudalismo, onde os coronéis, latifundiários e os capitalistas selvagens mandaram e desmandaram apoiados pelas forças econômicas de dentro e de fora do país e de outro um projeto que ousou eleger um trabalhador que mudou o país, inclusive pagando a histórica dívida externa, herdada desde a Proclamação da Independência e uma mulher num país extremamente machista, onde se assassina uma delas a cada hora e meia e uma agredida a cada quinze minutos. Esse é, portanto o texto, contexto e o enredo principal das eleições de 2014.

Como a Presidenta Dilma respondeu ontem ao apresentador global: a instabilidade nasce através da ilação irresponsável, da mentira e do terrorismo praticado sem que a vítima tenha o direito de defesa.

Quem veio ao mundo a passeio, como dizia Carlito Maia, ou votou por votar ou ainda pior, votou de forma alienada induzida por algum líder fundamentalista ou conduzida pela mídia golpista e por mais dificuldade que tenha de traduzir o que quero dizer, está na hora de ler, buscar informações, votar em quem tem um projeto participativo e, sobretudo se indignar em ser usado. Nenhum padre, nenhum pastor, nenhum apresentador poderá ser dono do futuro de ninguém.

Toda pessoa que não se informa, não lê e muito menos participa do mundo que o rodeia ou da vida política e social, acaba se tornando um alvo fácil para os aproveitadores de plantão, ou ainda uma pessoa alienada, onde a divergência sem fundamentação vira mera obsessão, como estamos acompanhando estarrecidos nas redes sociais.

Termino dizendo que foi uma das mais complicadas eleições que participei. Neoliberais, fundamentalistas e neossocialistas juntos, sob o domínio do ódio contra o PT, Lula e principalmente contra a candidata Dilma e como donos absolutos da verdade, simplesmente ditaram em quem votar. 

Só para se ter uma ideia em quem  a população votou no primeiro turno, dos 513 deputados eleitos, 247 deputados fazem parte da bancada milionária, com patrimônio individual de mais de dois milhões de reais cada. Além disso, tem a bancada da bala, formada por gente que primeiro atira e depois pergunta quem era, a bancada dos malafaias e felicianos, a bancada do agronegócio, a dos que lutam contra a reforma agrária, a dos que querem a redução do Salário Mínimo, a dos que defendem a redução das leis trabalhistas e tantas outras coisas contra o que se conquistou em mais de cem anos. Pergunta que não quer calar: quem senão a população mais carente votou nesses indivíduos? Será que votaram conscientes? 

O mais trágico é que tudo que foi feito foi em nome da democracia, como se tudo fosse normal. Desde xingar a mãe dos petistas e nordestinos, até pregar a construção de um muro dividindo de Minas Gerais acima e Minas abaixo. Tudo na maior naturalidade. É certo que muitos deles serão processados por muitos crimes, mas até que isso ocorra chegaremos ao próximo pleito.

É bom que se diga que democracia nem de longe é isso que ocorreu nessas eleições, além de que a tal da democracia representativa está em seu leito de morte. Ou se alia à democracia participativa, para que os escolhidos tenham base ou todos são e serão “garrafinhas” a serem trocadas por votos.

Como somos militantes de uma causa, maior até do que o partido que defendemos, entramos de cabeça na briga. Defendemos nossos companheiros e companheiras, defendemos nossa candidata, contra argumentamos quando foi possível e radicalizamos quando necessário. Creio que a militância virtual teve um papel fundamental e a militância das ruas foi imprescindível. O resultado não seria o mesmo se não houvesse a Onda Vermelha nas ruas e nas redes.

Porém, além disso, temos que nos ater em algo maior: nossa organização, nossa disciplina partidária e nossa forma de responder a esse ódio e ajudar a nossa Presidenta governar esse país. Para cada ódio oferecemos um convite para um curso de conscientização política. Assim, na próxima eleição, mesmo que votando na direita ou na extrema direita, terão a oportunidade de não se comportarem como analfabetos políticos com bem dizia Brecht.

Logo de cara duas tarefas importantes: ajudar a Presidenta na implantação da Política Nacional de Participação Social e na realização do Plebiscito pela Reforma Política no país. A partir de então, em cada espaço do país haverá um Fórum Popular onde o presente e o futuro estarão sendo debatidos.

Que Deus nos dê sabedoria para que possamos nas próximas eleições estarmos muito mais organizados e conscientes do que estivemos em 2014.

Viva a Democracia!
Viva a Onda Vermelha!
Viva Dilma Rousseff!
A primeira mulher eleita e reeleita Presidenta do Brasil.


Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Coordenador do Programa de Capacitação em Gestão Pública
Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro@ig.com.br
 





sábado, 18 de outubro de 2014

Existe um golpe eleitoral em andamento. Quem está por trás? A quem interessa?



Tenho visto alguns comentários que o nível da campanha baixou de mais. Não deixa de ser verdade, porém no meu entendimento não há outra forma da candidata Dilma reagir. Infelizmente é a única linguagem acessível a todos.

Na verdade o povo brasileiro anda pasmo assistindo a campanha de ódio declarado contra o PT, Lula, Dilma, nordestinos, pobres, homossexuais, cadeirantes, cotistas, índios, negros e mulheres.  Nunca se viu tanta confusão como nessas eleições. Não tenho o menor pudor de deletar seja quem for, quando sinto que a pessoa é reacionária e que não respeita qualquer um desses segmentos apontados. O último que deletei foi um sujeito que se aproximou de mim com interesses em vender serviços para petistas, porém defendeu aquela marcha de fascistas no dia 31 de março último. Vai de retro...tinhoso!

Muito mais pasmo ainda quando olham as articulações espúrias que estão sendo feitas com o único objetivo de tirar Dilma Rousseff do governo.  Tudo poderia parecer normal e democrático, se no seio dessa discussão não tivesse esse novo ingrediente, escondido a sete chaves nas mentes e corações da direita e da extrema direita brasileira, disfarçada de social. Como explicar uma figura como Marina que muda mais de partido do que de blusa? A quem serve? Por quanto se vendeu? Sua gana colocou em xeque até o projeto da Rede, formada na sua grande maioria por intelectuais visando mudanças profundas mudanças na vida política do país, porém com a contradição de não defenderem uma ampla Reforma Política.

Que ódio é esse? Trata-se de um ódio de classe. Um ódio cultuado no processo histórico. Um ódio com raízes fascistas, que tem origem no imaginário desses psicopatas de idealizarem uma sociedade de “raça pura”. Igual àquela idealizada por Hittler na década de 40 do século passado. Ou seja, uma sociedade sem todos aqueles segmentos que cito no parágrafo acima. Ou seja, uma sociedade comandada pela elite branca, tendo uma nação de pessoas humildes a lhe servir.

É bom que se diga que todo processo de mudança que não se paute por um processo democrático e participativo e alimentado pelo debate de ideias, configurar-se-á num golpe, seja armado como já vimos no país de 1964 a 1984, que custou prisão, a tortura e a morte de milhares de pessoas, inclusive com a prisão e tortura da nossa Presidenta por três anos, ou pelo novo formato que estamos assistindo. Os atores são os mesmos. Os recursos que o mantém também. A única diferença é que vem disfarçado de transparência em nome da ética e organizado pelo PIG – Partido da Imprensa Golpista. Aquela mesma pertencente a seis famílias abastadas, onde seu candidato tem que representar os escusos interesses em pauta há pelo menos uns 300 anos no país.

Primeiro, é importante que se diga que esse golpe vem sendo tentado há muito tempo. Desde os tempos de Lula candidato, quando a Globo (mãe do PIG) se encarregou de armar um golpe para garantir a vitória de seu candidato Collor. O próprio Boni admite após 22 anos que tudo foi armado e pensado milimetricamente, conforme pode ser acompanhado na reportagem a seguir:  (http://www.pragmatismopolitico.com.br/2011/11/apos-22-anos-boni-admite-que-globo.html) .

Segundo, que eu me lembre, nunca tivemos uma eleição tão ideologizada como essa. Aliás, pedagógica no que se refere às questões ideológicas. O que chamamos de direita e ultradireita, ou os representantes do conservadorismo e do poder econômico totalmente de um lado e a esquerda e centro esquerda do outro, na defesa de um país para todos e todas. Dois projetos diametralmente diferentes. De lados opostos e com finalidades extremas. De um lado ainda quem sempre explorou em nome do desenvolvimento e do outro quem teve a audácia de interromper esse ciclo, construindo alternativas jamais imaginadas. Basta lembrar que a dívida externa brasileira existia desde a “Independência do Brasil”, herdada de Portugal e o Ex-Presidente Lula, não só a pagou como emprestou dinheiro em nome do Brasil ao FMI, só para ficar claro quem deve a quem.

A coisa é tão simples, que mesmo que o candidato tucano diga que vai continuar tudo que Dilma esta fazendo, que é uma mentira, pois seus tutores jamais permitiriam, mesmo assim seria completamente diferente, pois tanto a matriz desses projetos como o resultado final teriam finalidades completamente diferentes. Enquanto Dilma quer a criação de uma Política Nacional de Participação Social, alicerçada nos Conselhos Populares, a direita na figura de Aécio diz ser um golpe na Democracia Representativa. Um velho jargão para dizer que o povo não precisa participar, pois para isso já elege seus representantes. Uma verdadeira falácia. Basta dar uma olhada no perfil de quem foi eleito para o Congresso Nacional nas últimas eleições. Nunca na história desse país, como diz o Lula, o Brasil elegeu uma Câmara Nacional tão absurda. Dos 513 eleitos, 247 representam a bancada milionária, com patrimônio acima dos dois milhões de reais, além dessa a bancada da bala, a evangélica conservadora, a do agronegócio, a dos agrotóxicos e por aí vai.

O único processo em curso nessas eleições é o processo de vale tudo. Porém, só não vale “dançar homem com homem e nem mulher com mulher”, simplesmente pelo fato de todos os homofóbicos, racistas e fascistas, eleitos ou não, estarem juntos na campanha do tucano, chefiados por Malafaia, Feliciano e Pastor Everaldo, aquele mesmo que queria privatizar até o sino da igreja. O primeiro com dedo em riste, insinuando a extinção total dos homo afetivos e por conta disso vários já foram assassinados, o segundo autor do Projeto de Lei da “Cura Gay”, descartado quando viu que ia ser derrotado e o terceiro com a gana de ver um país só para quem tem dinheiro, tudo pertencente ao mercado e limpo do que chama das impurezas da união home afetiva. Ou seja, um trio “parada dura”, no estilo Ku Klux Klan.

Por trás dando suporte um time de extremistas de direita, a começar pela velha mídia, com seus velhos hábitos adquiridos com os militares nos tempos de trevas da ditadura. Os 75% das rádios, tvs, jornais e revistas, pertencentes a apenas seis famílias abastadas, fizeram opção desde o inicio, ao escolher, num primeiro momento MariNeca quando essa estava inflada por eles mesmos e pelos institutos comprados de pesquisas e depois descartada quando viram que era uma “fria” apoiá-la. MariNeca era só uma paixão passageira, pois o amor mesmo era o tucano, mesmo que fosse quem é. Para quem ainda tem dúvidas, é só reparar bem a logomarca da Globo de sua novela Geração Brasil, onde se lê nitidamente o “40” de Eduardo/MariNeca e o “45” do tucano. Uma perfeita manobra. Uma alusão que os dois sempre estiveram juntos e, portanto quem tivesse à frente receberia o apoio da emissora e seus veículos agregados.

A mesma coisa se repetiu com os rádios, tvs, jornais e revistas, ao fazerem campanha deslavada para os dois adversários de Dilma e fabricarem factoides no sentido de intervir no crescimento da candidata do PT. Uma vergonha.

Porém, muito pior do que isso está no contexto dessas eleições. Instituições extremistas de direita como as católicas TFP (Tradição Família e Propriedade), que é um braço da Ku Klux Klan no Brasil, a seita Opus Dei e um setor de extremo conservadorismo de religiosos, fazem campanha descarada contra Dilma, com o mentiroso argumento de que ela promoverá o aborto. Ela já explicou que é a favor do que está na Constituição Federal, que cita alguns casos permitidos por lei. Essas instituições negam o fato de pelo menos 400 mil mulheres morrem por ano nas clínicas clandestinas. Para eles o Estado pode continuar a ser omisso, desde que sirvam a seus escusos interesses. Ou seja, independente das nossas vontades, milhares de mulheres morrem todos os anos e é isso que tem que ser combatido. 

Não por acaso, o mesmo argumento usado pelo tucano de alta plumagem FHC, quando privatizou o Brasil, também é usado nesse momento. Tudo que é estatal é coisa ruim e tudo que é privado é do bem. Isso só faz reforçar o argumento da venda da Petrobrás, BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica e as Universidades Públicas.

Só para terminar três perguntas? 1. Você acha mesmo que privatizando tudo sua vida vai melhorar? 2. Conseguirá, por exemplo, pagar uma escola de qualidade para seus filhos? 3. Você sabe onde foi parar o dinheiro das privatizações no Brasil? 

Tai uma boa leitura para tirar as suas dúvidas. Seguem algumas sugestões e os respectivos links:

1.  Privataria Tucana - Livro que diz onde está o dinheiro e na conta de quem:

2. O Príncipe da Privataria – A historia secreta de como o Brasil perdeu seu patrimônio e FHC ganhou a sua reeleição.
http://geracaoeditorial.com.br/blog/wp-content/uploads/2013/08/Pr%C3%ADncipe_Privataria.pdf

3. O Brasil Privatizado – O desmonte do Estado – Conta tudo que fizeram para passar a ideia de que tudo que era estatal era uma coisa ruim e tudo o que era privado era muito beom.
http://www.fpabramo.org.br/uploads/brasil_privatizado.pdf

Seguir em frente pelo único caminho. Recuar jamais!

Antonio Lopes Cordeiro (Toni)
Pesquisador em Gestão Pública e Social
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada em Gestão Pública
Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro@ig.com.br

 

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Como votou uma grande parte da população: o voto pelo voto, o ódio pelo ódio e consciência política zero



A partir dos resultados em nível nacional das eleições ocorridas no último dia 5, principalmente no que se refere à composição da Câmara Federal, não tenho a menor dúvida de afirmar que o Brasil deu um gigantesco passo para trás ou ainda um mergulho num futuro de aventuras, onde nem imaginamos onde tudo isso possa chegar. 

Com a alegação de que esquerda e direita não mais existem, o que é uma tremenda mentira e a de que todo político é ladrão, para que a população continue a odiar a política e os políticos, portando em quem votar está de bom tamanho, brasileiros e brasileiras elegeram uma das piores e mais conservadoras bancadas nacionais de Deputados e Senadores.

Desde a “bancada da bala”, composta por defensores da pena de morte, herdeiros da ditadura militar e de justiceiros, passando pela bancada da intolerância religiosa, encabeçada pelo Pastor Feliciano de São Paulo, aquele mesmo que lançou o Projeto de Lei da “Cura Gay”, apoiado por Malafaia um pastor que incentiva a violência generalizada aos homo afetivos, até chegarmos ao voto de Russomano e Tiririca como os mais votados do Brasil.

Só para termos uma ideia, quase metade da nova Câmara será formada por milionários, ou seja, por 248 deputados que têm patrimônios superiores a um milhão de reais, apenas os bens declarados, fora o que estão em nome de “laranjas” e de familiares. Isso significa 48% dos 513 deputados quem compõem o Congresso. Os números cresceram ao longo do tempo e os milionários pertencem à vários partidos, conforme os dados abaixo:



Segundo a reportagem do Portal G1, o eleito mais rico para a próxima legislatura é o deputado Alfredo Kaefer (PSDB-PR). O industrial declara possuir R$ 108,6 milhões. Entre os bens estão quotas de várias empresas em seu nome.


Ainda segundo a reportagem, no total, os parlamentares declaram um patrimônio de R$ 1,2 bilhão – o que representa uma média de R$ 2,4 milhões para cada um. A reportagem aponta ainda um dado no mínimo curioso ou mentiroso. Há quem diga não ter bem nenhum: são 11 políticos que declaram patrimônio “zero” ao TSE.

Ao vermos por Estado, o Estado de São Paulo puxa a fila com 32 deputados milionários, seguido por Minas com 26, Rio de Janeiro com 22, Bahia 20 e Pernambuco com 18. Não por acaso, São Paulo e Minas são os dois maiores colégios eleitorais do PSDB. A reportagem revela ainda que só o Estado do Amapá não terá deputado milionário eleito nessas eleições.

Apesar de 38,6% serem de deputados que nunca exerceram o cargo, pode-se afirmar que essa será uma das composições mais conservadores da história, com mais de 300 deputados que representam interesses muito particulares além dos partidos, como fundamentalistas religiosos, os megas empresários, o agronegócio e muitos outros lobies. 

O mais incrível é que a maioria deles foi eleita com centenas de milhares de votos exatamente dos setores humildes da sociedade, que serão enganados pois irão votar contra todos os direitos sociais conquistados ou ainda aos direitos trabalhistas existentes desde a década de 40.

Prova disso é a proposta de Marina de apoiar o decreto que abre geral para que as empresas de todos os seguimentos poderem terceirizar e quarterizar  à vontade, o que precariza o trabalho formal das categorias e a votação de uma lei que anulará o Decreto da Presidenta Dilma que cria a Política Nacional de Participação Social. O Decreto em questão pode ser acompanhado no endereço: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8243.htm.

Para se ter ideia da importância, a Política Nacional prevê a criação dos Conselhos Populares, em cada cidade, dando direito aos cidadãos e cidadãs de participarem ativamente da formulação, fiscalização e controle social das Políticas Públicas apresentadas pelos Executivos e Legislativos dos municípios, estados e da União.

A falsa alegação é a de que esse Decreto tira a autonomia dos eleitos, sejam vereadores, deputados ou senadores, como se a maioria desses representasse o povo e não seus escusos interesses. Quem tem medo do povo organizado é porque bom sujeito não é.

Tirar Dilma do governo e colocar Aécio com o apoio de Marina e de outras forças conservadoras, significa entre outras coisas, uma mudança de projeto significativa, com cada vez mais o encurtamento do Estado (Nação) nas suas funções sociais e a entrega completa do destino do povo brasileiro ao projeto neoliberal, onde o deus mercado será prioridade frente às necessidades da população.

É por isso que eles chamam o investimento em politicas sociais de gasto, assim como a aposentadoria como uma pensão para vagabundos. A prioridade deles é que os bancos e as empresas cada vez tenham mais lucros, que é justo na forma deles pensarem, porém isso não pode custar para milhares de brasileiros e brasileiras, a fome, a miséria, a pobreza, o desemprego e o investimento em tudo que é privado, como a educação e saúde, com o falso argumento de que tudo que é do governo é coisa do mal e tudo que é privado é um paraíso.

É por isso que eles não querem participação social, conselhos que discutam o papel da velha mídia (Rádios, TVs, Jornais e Revistas), assim como conscientização por parte da população de seus direitos e com isso poderem falar, transmitir e escrever tudo que querem, além de aprovar as leis que darão cada vez mais mordomia a elite brasileira em detrimento do sofrimento de milhares de pessoas. Usam para isso a mentira, a desinformação, os Malafaias e Felicianos da vida, além da impunidade, onde somente um partido paga o preço, enquanto os amigos dos amigos podem tudo.

Estamos diante de uma encruzilhada. Por um lado defendemos a ampla democracia, que em tese amplia os direitos da população, inclusive para tirar uma Presidenta que é vista pelo mundo como uma estadista que interviu na fome e criou inúmeras opções de crescimento da população, como o Minha Casa Minha Vida, Pronatec, Mais Médicos, Bolsas de Estudo para a população negra e os mais pobres, crescimento na economia com 20 milhões de pessoas empregadas com carteira assinada, entre tantos outros projetos e por outro estamos assistindo um discurso e uma prática homofóbica, machista, racista e discriminatória crescer aos nossos olhos e ainda com o apoio das instituições comandadas por falsos líderes.

O que fazer? Agir e reagir defendendo exatamente o que temos para defender. Expondo à população como foi o passado, o que aconteceu no Brasil nos últimos doze anos e lutando contra o ódio, a partir da solidariedade, união da militância e principalmente afirmando que só o bem pode vencer o mal e que a volta ao passado das trevas nos levará a um atraso de décadas como o Estado de São Pauloestá passando e pagará muito caro no futuro.

Só a reeleição de Dilma poderá garantir com que tudo que foi conquistado até o momento não escoe ralo abaixo e os incrédulos tenham que pagar com a dor, quando poderiam aprender por amor.

Antonio Lopes Cordeiro
Coordenador do Programa de Capacitação Continuada em Gestão Pública
Fundação Perseu Abramo
toni.cordeiro@ig.com.br