Mensagem

Faça seu comentário no link abaixo da matéria publicada.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Porque a busca do conhecimento é tão perseguida?

Se tem algo que põe os ditadores de plantão, sectários do dia a dia e os reacionários de toda ordem com as barbas de molho é uma pessoa esclarecida e se essa pessoa, além de esclarecida for consciente politicamente, aí passa a ser inimiga declarada. Essas variações ocorrem de acordo com o grau de conhecimento que uma pessoa dispõe e como esse conhecimento é utilizado.

As perseguições ou ainda as discriminações em relação à pessoas esclarecidas existem, tanto no universo público como no privado. Se no privado o conhecimento passa a ser uma arma contra um chefe medíocre, por exemplo, no público a luta é contra quem se apodera dos cargos públicos para fazerem suas carreiras-solo e uma vez no que chama de poder se sentem ameaçados por alguém que tenha mais conhecimento. Na prática esse enfrentamento caminha lado a lado com o dilema ser chefe ou ser líder.

No setor privado a maioria das empresas ainda opta por um chefe à moda antiga. Uma espécie de capataz. Aquele que comanda no grito. Apesar de todos os avanços em termos de gestão, a maioria das empresas ainda se encontra na Teoria “X”, onde, na visão de quem pensa assim, é a figura presente do chefe sanguinário que faz a produção crescer.

No universo público, a coisa ainda é bem mais complicada. Basta dizer que praticamente todo acervo acadêmico da área de gestão pública no Brasil, não tem dez anos. Isso faz com que tenhamos gestores com a cabeça na chefia e com o pensamento em transformar o que poderia ser uma missão em sua profissão principal. Tem vereador e deputado disputando a décima eleição.

Voltando a questão do conhecimento, podemos caracterizá-lo como um ato de libertação. Algo que eleva o grau de percepção das pessoas e as leva a aprenderem a pensar ou ainda a saberem elaborar um pensamento, que é pior ainda para quem quer manipulá-las. Um ato insuportável para quem tem pretensões individuais e não coletivas, em todos os cargos, seja no campo público ou privado, ou ainda de todos os partidos políticos, agremiações, organizações, etc. Algo que está na cultura de quem se deixa levar pela vaidade de ter um cargo e a primeira reação é a de se mostrar superior.

Dentro dessa temática algo me deixa muito preocupado. Quando a direita se une como agora e destrói a educação, por exemplo, ficamos furiosos por sabermos duas coisas. Primeiro que o que foi conquistado foi a partir de anos de lutas e segundo por saber que o que eles querem de fato é privatizar tudo, sucateando e deixando os pais e mães indignados com o ensino público.

Porém, quando vemos as confusões estabelecidas por algumas pessoas que se consideram politizadas e se rotulam de esquerdista e na prática boicotam um curso, uma capacitação ou ainda não dão a mínima importância para a formação política, aí minha reação é de espanto e porque não dizer muita decepção. Agem da mesma forma da direita conservadora, enfraquecendo as opções de reação por parte da militância política e da população que cada vez mais ignora, por falta de conhecimento, a política como ciência.

Ou seja, na prática, sofrem do mesmo mal que a direita e usa os espaços coletivos e democráticos para implantarem uma forma de continuidade do que chamam de poder.

O que fazer numa situação dessas? Fazer o enfrentamento. Ganhar a confiança das pessoas e deixar muito claro que só se muda a prosa e o rumo da própria vida com conhecimento.

Paulo Freire em seu livro Pedagogia da Autonomia escreveu: Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção”.

Antonio Lopes Cordeiro
Estatístico e Pesquisador em Gestão Pública Social
tonicordeiro1608@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário